Hai kai a nu

Envie este artigo por email

Sangwangongo Malaquias

Hai kai a nu
Hai kai a nu

1
As mukuas verdes
inspiram a chuva
de Setembro
anunciada
pelas cantáridas
que amam em pleno voo:

No calor da noite ruiu um sonho.

2

Na solidão violenta
do pensamento
um cavalo relincha de cinzento:

Há uma vida expirando em agonia.

3

Tamborila a chuva
no olhar condescendente
dos corvos do mar:

O teu perfume é uma bandeira de amor.

4

É longa a travessia
do teu corpo
e longo o beijo
que se perde na memória:

Cantam martrindindes na noite incendiária.

5

Mergulho o rosto
no mosto da tua fonte
de prazeres celestiais.

Corpos saciados corações triunfais.

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos