Poema de Mário Pinto de Andrade

Envie este artigo por email

Monetu wa kasule Amutumisa ku S. Tomé Kexirie ni madukumentu Aiwe!

Monetu wa kasule
Amutumisa ku S. Tomé
Kexirie ni madukumentu
Aiwe!

Monetu wadidile
Mama wasalukile
Aiwe!
Amutumisa ku S. Tomé

Monetu wayi kya
Wayi mu pura ya
Aiwe!
Amutumisa ku S. Tomé

Monetu amubutu
Katena kumukuta
Aiwe!
Amutumisa ku S. Tomé

Monetu wolobanza
Oxiye onzo ye
Amutuma kukalakala
Olomutala, olomutala
— Mama, mwene wondovutuka
Ah! Ngongo yetu yondobiluka
Aiwe!
Amutumisa ku S. Tomé

Monetu kavutuke
Kalunga wamudye
Aiwe!
Amutumisa ku S. Tomé.

(Versão em kimbundo actualizada por Mário Pereira)
Canção de Sabalu
Nosso filho caçula/ Mandaram-no p'ra S.Tomé/ Não tinha documentos/ Aiué!// Nosso filho chorou/ Mamã enlouqueceu/ Aiué!/ Mandaram-no p'ra S.Tomé// Nosso filho já partiu/ Partiu no porão deles/ Aiué!/ Mandaram-no p'ra S.Tomé// Cortaram-lhe os cabelos// Não puderam amarrá-lo/ Aiué!/ Mandaram-no p'ra S.Tomé.// Nosso filho está a pensar/ Na sua terra, na sua casa/ Mandam-no trabalhar/ Estão a mirá-lo, a mirá-lo/ - Mamã, ele há-de voltar/ Ah! A nossa sorte há-de virar/ Aiué!/ Mandaram-no p'ra S.Tomé// Nosso filho não voltou/ A morte levou-o/ Aiué!/ Mandaram-no p'ra S.Tomé

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos