Tarde cinzenta de Luanda

Envie este artigo por email

É bom sentir o nada fazer do cinzento Luanda domingo.

É bom sentir o nada fazer
do cinzento Luanda domingo.
Neste cacimbo morno me envolver
nas nuvens das tardes olhar
e na segunda feira ir trabalhar,
na certeza do sol vir a brilhar.

Este meu domingo cinzento
não é de cinza fria do mundo.
Este é tropical e romântico
tem o calor do beijo carnudo
a voz do Yanick que diz tudo
porque é filosofia e é cântico,
poesia do meio sol brilhântico
sabedoria da cultura batuque.

Este cinzento dos encantos
do mufete e das conversas,
das disputas e da confusão;
do amor alheio que dá sinal
e promete beijos no escuro
entre as chapas e o quintal.

Este cinza bom da tarde a acabar
dos amigos na porta que não vão
e da ansiedade inquietante da sessão
para a noite que vem hiper de tensão.

Te quero minha cinzenta Luanda
quente no gemido suado da Kianda

Não és inverno nem verão
és mais que qualquer estação
és única, és rap, és canção
és luz, és sombra, és ilusão.
és o segredo do meu coração.

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos