A Pétala e a Cabecinha conquistaram os nossos corações

Envie este artigo por email

Carnaval Infantil

A Pétala e a Cabecinha conquistaram os nossos corações
João Baptista Kussumua, Juvelina Imperial e Cornélio Caley atentos. Foto de Eduardo Pedro Fotografia: kindala Manuel

Sem grande surpresa, o Viveiros do Njinga Mbande consagrou-se vencedor da edição 2016 do carnaval infantil. A contagem dos votos, como é habitual, aconteceu na LASP na tarde do dia 10, quarta-feira das cinzas. O Cassules 10 de Dezembro ficou em segundo lugar com 824 pontos e o Cassules Jovens da Cacimba em terceiro lugar, com 772 pontos. Contudo, como esclareceu um membro do júri para dança que é especialista em danças folclóricas, Larissa Salomé, a hegemonia do semba continua, o que não é mal de todo. “Mas é muito semba. Eu acho que os grupos poderiam tentar pesquisar mais e investir no resgate de outros estilos de dança que existiam, para enriquecer o carnaval com mais diversidade. Por exemplo, são pouquíssimos os grupos que apresentaram dizanda ou cabecinha, para não falar da cidrália, que já desapareceu. Pelo carácter competitivo, a novidade deveria ser uma excelência dos grupos carnavalescos”, analisou.

Na tarde tímida do dia 6 de Fevereiro, foi atraente a abertura do carnaval aos toques de um grupo de meninos. As roupas esvoaçantes, de cetim, e a doçura das cores em movimento, o rodopiar, a elegância ao bater o calcanhar e o rodar a 360 graus, com a sombria a girar num efeito hipnótico, eram as marcas da presença do Cassules Kazukuta do Sambizanga. Mas a doçura da beleza no passo da menina cuja sombrinha não abria não foi menos notória. O azul celeste do seu fato rimava com o azul desbotado do céu. A música toda cantada em kimbundu, muito bem dançadas por duas meninas vestidas à mumuilas, que deram ordem e apoio à falange, que se movia ao ritmo da batucada e esmero que a kazukuta exige.
Cassules do 54 dançou semba. Invocaram melhorias no saneamento básico. Vestidos a rigor e com um colete de pano incluso no terno europeu azul-escuro, que detalhava a fértil imaginação na indumentária. Mas tiveram uma dança não muito consistente, embora com bons reflexos na movimentação. Notabilizaram-se o comandante enérgico e dois elementos da corte real, com aparentemente menos de 8 ou 9 anos, que eram dois completos showmen a entreter o júri, sob uma música cuja temática focava o desenvolvimento económico. Mas o comandante showman e a corte real eram tão versáteis e de toques de danças fluidos que a tribuna vip não conseguiu se manter estática: Cornélio Caley, Secretário de Estado da Cultura, e Juvelina Imperial, Vice-governadora para o Sector Político e Social, vibraram, com olhar fixo. O comandante merece ser citado aqui por ser um showmen nato, e conseguiu arrancar aplausos de todos os presentes, quando se movia maquinalmente, fazendo-nos lembrar desde Máquina do Inferno a Yuri da Cunha e Michael Jackson, incorporados nos toques. Só dádivas da transversalidade artística do carnaval. Cassules Sagrada Esperança dançou semba. Cantaram a Sagrada Esperança e citaram o conhecido poema de Agostinho Neto, Caminho do Mato, numa homenagem ao poeta. Tinham vestido as crianças a bessangana, que xinguilavam, harmónicas. Foi das alegorias mais vistosas: trouxeram movimentado por um camião uma imagem do Museu de Antropologia. Era um vaivém de cores, numa organização simples mas considerável.
Cassules do Giza cantaram o lamento da mãe negra e pediam também para cuidar das crianças. Uma indumentária colorida, de um verde resplandecente, fora as saias de pano feitas em rodelas, que davam bom aspecto. Tiveram uma boa actuação.
Cassules do Mundo da Ilha entrou com um caminhão que levava o retrato de uma escola. As crianças estavam vestidas lindamente a bessangana, mas destacou-se uma menina que parecia ter menos de 13 anos, numa dança cheia de graça. Muito organizado. Um arco iris no chão da Nova Marginal.
Cassules Jovens da Cacimba fez daquele chão de alcatrão um colchão, ao se atirarem e rolarem à procura de um efeito estético, quando o grupo num acto malabarista se juntava e toda a formação criava o formato de uma estrela. Bem ordenado e inovador. Uma cantora menina, alegre e enérgica.
Cassules 10 de Dezembro dançou semba e cantaram o sonho de ser criança. Tiveram uma casal corte real bem disciplinada. Foi dos mais bonitos a ver dançar, embora o comandante tenha se empolgado em demasia e não ajuizou o tempo.
Viveiros do Njinga Mbande dançou cabecinha e mostrou ser mesmo um viveiro de alegria e ritmo. Foi das canções mais tocantes, nos fazendo lembrar como as crianças são importantes. Uma corte real agradável e um comandante obedecido ao primeiro toque. Parecia ter menos de 15 anos, mas muito bom e atento às movimentações do grupo. Grave e despreocupado. Outra vez Juvelina Imperial e Cornélio Caley se mostraram derretidos pelo miúdo, que se movia firme no seu flamejante traje de cetim. As palmas, no fim, tinham confirmado o sucesso daquela actuação. E era verdade: a cabecinha tinha conquistado os nossos corações. Cassules Café de Angola dançou semba. O seu distinto azul e branco no traje e a música tocada num kimbundu audível foram as grandes contribuições do dia, por se mostrarem sem grande maestria no comandante e na cantora.
Cassules do Twafundumuka cantou as riquezas naturais de Angola, mas um semba nada convincente.
Cassules Amazónia do Prenda cantou contra os abusos sexuais que sofrem as crianças, trazendo em reforço uma alegoria muito inteligente: um camião carregando uma performance das várias facetas deste problema. Tiveram uma cantora acertada mas um comandante aquém dos objectivos.
Cassules Geração Sagrada dançou semba. Vestidos de muimuilas, a cantora, que louvava no canto o 4 de Fevereiro, movia-se satisfatoriamente em palco. Foi um semba solene, embora tenham tido um comandante desencontrado.
Kandengues de Cacuaco cantou contra os trabalhos esforçados que as crianças sofrem. Tiveram uma das canções mais apelativas e com arranjos carnavalescos primorosos. O comandante, um rapaz com menos de 15 anos, trajado de azul claro, conduzia um grupo onde se encontravam meninas vestidas a bessangana, que dançavam descalças no solo duro da Nova Marginal. O comandante veio acompanhado de uma menina também vestida à bessangana, com panos vermelhos e adornada de missangas. Foi esta a pérola daquela grupo que fechou o carnaval infantil com chave de ouro. A menina dançava alegremente, parecia uma pétala vermelha solta ao sopro sonoro do apito do comandante. Dançava com estilo, rigor e leveza. Não tardou, ouviu-se os aplausos da tribuna vip, com Juvelina Imperial e Cornélio Caley notoriamente satisfeitos, gesto que foi copiado pelas tribunas restantes. Eram 20h, e o pano do Entrudo infantil caia com aplausos merecidos àquela pétala de Cacuaco, todos em pé.

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos