Adeus a Man Nito o corneteiro do União Kazukuta do Sambizanga

Envie este artigo por email

António Gonçalves, mais conhecido por Man Nito era, desde 1989, o corneteiro e vocalista principal do grupo carnavalesco União Kazukuta do Sambizanga.

Nasceu numa família humilde aos 5 de Outubro de 1945, no município do Sambizanga, província de Luanda, filho de Gonçalves Manuel e de Delfina Domingos.

Ferreiro de profissão, toda a sua vida foi feita no município do Sambizanga, precisamente no sector da Lixeira. Aí onde estudou até à 4ª classe. Era um homem dotado de muita criatividade na dança e na composição das canções folclóricas da sua época.

Muito cedo começou a trabalhar na fábrica de cerâmica do Cazenga, participou também na construção da casa do primeiro Presidente de Angola, Dr. António Agostinho Neto e por último, trabalhou na empresa CIMANGOLA.

A trajetória artística de Man Nito começa a ter relevância quando, na companhia dos seus contemporâneos cria as turmas do carnaval Maiado e Yula Up no bairro Cuba, isto é, nos finais dos anos 50.

Em 1968 Man Nito, Totovó, Man Traka, Man Pelé (todos eles falecidos) e outros formam os Kassules do Kabocomeu.

Em 1978, sob o olhar eufórico do Fundador da Nação, o grupo União Operária Cabocomeu ganha a primeira edição do Carnaval da Vitória da Angola independente.

Man Nito e a Kazukuta

A kazukuta é um estilo de dança que se notabilizou nas décadas 40, 50, 60 e 70. É caracterizada por passadas rápidas e com canções que retratam o dia-a-dia do Sambizanga.

A dança kazukuta foi a base de inspiração para os autores: Traka, Man Pelé, Totovó (Cristóvão), Adão vocalista, Mariazinha e, em 1983, a criação do actual grupo carnavalesco União Kazukuta do Sambizanga que ganhou a edição 2001 sob o comando do corneteiro António Gonçalves/Man Nito.

A kazukuta teve o seu embrião no grupo Cabocomeu com a presença do primeiro corneteiro, mais velho Marcolino. Após a morte do "temido" mais velho, em 1989, António Gonçalves ocupa o lugar de vocalista e recebe a corneta das mãos dele e se transforma em ícone da kazukuta e do grupo pelo facto de ter habilidades para tocar, cantar e dançar.

Ou seja são estas as três componentes da kazukuta. Mesmo doente, Man Nito fez imensos sacrifícios para a preservação do tradicional no grupo, quer nos aspetos rítmico, da dança, bem como canção.

A morte de Man Nito aos 67 anos deixa um vazio no seio familiar. Para os kazukutas, ele deixa uma lacuna e uma grande saudade que restarão por muito tempo nas nossas memórias.

A corneta

A corneta é o emblema musical do União  Kazukuta do Sambizanga, desde a sua fundação. O mais velho Marcolino foi o primeiro corneteiro do Grupo e deixou o legado em 1989 ao malogrado

Man Nito. De 1989 até 2012 soprou-a o António Gonçalves, o segundo neste caso, que, no dia 15 de Setembro 2012, deixa a corneta ao Mateus Francisco, mais conhecido por Azarado, que vimos tocando a corneta com um som contagiante até ao cemitério da Santa Ana.

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos