"Afra Sound Star" na Bienal de Poesia

Envie este artigo por email

“…Menina não chora/ menina não chora mais/ eu vou voltar…”

“Afra Sound Star”

Os integrantes da banda angolana “Afra Sound Star”, que vivem na Europa desde 1991, regressaram pela segunda vez ao país e deram um memorável espetáculo, dia 13, na Bienal Internacional de Poesia (BIP), no Centro de Formação de Jornalistas (Cefojor), em Luanda.

Provenientes de Portugal, Bélgica e Inglaterra, embora tenham vontade de regressar definitivamente ao país, a falta de casa e sede para a realização dos ensaios constituem “Calcanhar de Aquiles” para os músicos.

A banda, entre as mais populares do país, que se afirmou na década de1980, selou com vigor uma época marcante da evolução da Música Popular Angolana, devido a versatilidade dos seus integrantes em executar diferentes géneros e estilos musicais angolanos, africanos, europeus e latino americanos. Famosa pelos sucessos “Menina não chora” e “Kimbele”, além de outros temas cantados na BIP, a banda atuou mais de uma hora revisitando repertórios internacionais e canções do folclore angolano, com Popshow (vocal e viola), N’Sheriff (baixo), Tubarão (bateria), Gato (percussão) e Raimundo Santos (teclado).

O alinhamento musical centrou-se em diversidade rítmica em que o kilapanga sobressaiu como género de eleição, pois os músicos têm-no como a marca dentro e fora do país, além de tocar semba e kabetula. As canções “Mulato” e “Mano António” não faltaram.

A banda não se limita aos ritmos nacionais, cantados em kikongo, kimbundo e português, faz incursões ao pop, rock, reggae, entre outros estilos e géneros. Histórica, também, por compor temas sobre o processo político angolano, tais como “MPLA, partido ya salo” e “Fidel uiza, Neto uenda”, canções que narram a determinação do Partido no Poder e o intercâmbio entre Angola e Cuba.

No dia 29, último domingo de Abril, a banda, que em1982 ganhou o prémio de melhor grupo juvenil, e um disco de ouro no Top dos Mais Queridos, da Rádio Nacional de Angola. foi homenageada pelo Complexo Cultural Weza Paradise, em Luanda.

“Contribuir para a reconstrução do país”

A banda tema sua origem na anterior “Liberdade África”, formação musical criada em 1977, com pioneiros que combateram na Segunda Luta de Libertação Nacional, acampados no Lar dos Estudantes Rainha Santa Isabel, no bairro Maianga, em Luanda.

O líder e vocalista principal, Popshow, comenta: “O país é nosso e temos de contribuir para a sua reconstrução, o que é impossível sem que tenhamos as condições básicas, a começar pela casa. Podemos até sonhar, mas trabalhar sem condições não é digno! Convivemos com alguns amigos e fãs da banda que, no exterior, nos prometem ajudas, mas quando chegámos essas pessoas desaparecem. Se tivéssemos que viver dos direitos de autor, o facto de sermos membros fundadores da União Nacional dos Artistas e Compositores (UNAC), tendo em conta os nossos feitos em prol da música angolana, hoje estaríamos ricos!”

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos