Cantar o rio e a poeira

Envie este artigo por email

"Acho que deveríamos acompanhar mais a música sulafricana para podermos aprender com eles.”

 

J. C ­ A tchianda, mais do que dança e música, é parte da sua construção como individuo.
G. T -Eu lembro quando os Moyowenos lançaram o Namuleleno era uma oportunidade para que nós pudéssemos torná-la também um estilo cartaz aqui no país. Se calhar essa oportunidade passou-nos entre os dedos. Não fomos capazes de assimilar como uma grande proposta nacional.

Mas a música deve fluir naturalmente. Essa coisa de "tenho que fazer aquilo porque é o que está a bater" não tem ajudado muito. Eu penso que a criação e a inclinação são processos naturais.

Tudo passa pela nossa vivência anterior: a nossa infância. Por exemplo, quem andou nos bairros, viveu nas sanzalas, sabe que não é possível cantar sem buscar o folclore. Sem cantar o rio ou a poeira ou outros elementos ligados à vida profunda do campo. Na tchianda tudo isso vem ao reboque. Não imagino uma música sem encarnar tudo aquilo que passei e sou, desde a sanzala à cidade.

J.C ­ Percebemo-lo também por produzir uma proposta musical angolana na vanguarda das novíssimas vozes da música africana. à cidade
G. T - Eu gosto de ouvir tudo que é bem conseguido. Eu oiço desde o kuduro ao roque, desde que seja bem elaborado para que eu consiga tirar algum ensinamento.

Mas influências mesmo, eu gosto de ouvir as novíssimas vozes da vanguarda musical africana, como são os casos de Richard Bona, que considero um mestre na harmonização da música africana, Lokua Kanza, Salif Keita, a forma do canto educado dos clássicos americanos, jazz, blues, soul, muita da boa música sul-africana.

Acho que deveríamos acompanhar mais a música sul-africana para podermos aprender com eles. Não oiço nada que fira o meu ouvido. Sou severo nisso. É preciso fazer a nossa própria música com muito cuidado e qualidade.

Quando os parâmetros internacionais não são respeitados, então o ouvido mais refinado não ouve esse tipo de música. Isso também porque musicalmente não nos diz nada. A qualidade será a nossa arma para podermos impor a nossa essência e ser bem ouvidos e seguidos por outras pessoas do mercado internacional.

J.C. ­ É claro que nem todos terão lucidez cultural suficiente para não se perderem nas incaracterísticas do período pós-modernista. Como nos defendermos ou atacamos, até mesmo de nós?
G. T. ­ É sempre necessário que, ao fazermos um disco, tenhamos algum elemento da nossa tradição, mesmo que seja ínfimo. Como é possível cantar coisas que não vivemos e não vimos? Será que se consegue trazer noutra língua tudo aquilo que a infância deu? Às vezes é um pouco complicado falar disso, mas não é bom esquecermo-nos de nós.

Uma vez, há três anos, fomos ao Festival de Música Africana no Congo Democrático, e ficámos à espera de ouvir uma música angolana ou dos PALOP ou de outros mapas. Mas não vimos nem ouvimos nada que se parecesse. Eram 24 sobre 24 horas de música congolesa. E pensamos: será que eles estarão errados ao se comportarem assim? Não será uma forma de se defenderem e poderem educar a sua juventude e as próximas gerações e chamar atenção para o que é autóctone o que é deles? Eu penso que, antes de fazer alguma coisa, devemos sempre olhar para nós; para aquilo que nos representa de facto. Eu me sinto muito feliz por já haver jovens cantores a terem consciência da música africana, como é o exemplo da recomendável voz de Ndaka Yo Wiñi.

Eu penso que a nossa defesa depende muito da forma como cada um recebe a informação do exterior. Porque eu penso que os media trazem tudo e nós temos que ter a capacidade de integrarmos na nossa realidade apenas aquilo que achamos favorável. De facto não há uma regra, mas acho que os mais jovens têm alguma dificuldade em entender este fenómeno. Dentro daquilo que faço, fusão sim, mas sem macular a raiz.

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos