Ganham auditória e dormitório

Envie este artigo por email

Estudantes do CEARTE

Ganham auditória e dormitório
Carolina Cerqueira e Mpinda Simão cortam a fita de inauguração Fotografia: Jornal Cultura

Passo a passo, o CEARTE, Complexo das Escolas de Arte, vai sendo finalizado, para melhor estar ao serviço de um sem número de angolanos que partilham o mesmo sonho: estudar arte. Aberto em 2015, ainda são várias as dificuldades apontadas, e talvez a mais preocupante tenha sido o destino e cuidado a ter com os alunos oriundos de outras províncias, motivo que levou alguns a desistirem. No dia 24 de Novembro, os ministros da Cultura, Carolina Cerqueira, e Educação, Mpinda Simão, e quadros directivos e artistas convidados, marcaram presença para abertura do auditório da escola e da apresentação do dormitório, obras de conclusão da segunda fase do projecto.
De pé no palco do auditório do CEARTE, a ministra da Cultura salientou a importância deste espaço como uma obra que deve nos encher de orgulho, sendo que a Cultura lançou mais uma ferramenta para um futuro seguro da arte angolana. Como estratégia, a ministra fez saber que deverá recorrer à diplomacia cultural e apelar a outros países com sensibilidade para as artes no sentido de investirem no sector. Da estreita relação com o sector da educação, Carolina Cerqueira salientou que o sector da educação, por ser um dos mais vulneráveis, e muitas vezes o que é menos compreendido, mesmo apresentando grandes valores e sendo um pilar importante no desenvolvimento de Angola, é de igual modo beneficiador. Garantiu que a escola poderá não só promover as disciplinas artísticas, bem como será exemplo de inclusão social, com alunos oriundos de várias partes do país, compartilhando os mesmos sonhos e a serem formados para fazerem parte do corpus de artistas que receberão o legado da geração actual.
Com capacidade para mais de 96 alunos internos, divididos em 12 quartos para rapazes, igual número para raparigas e 10 quartos para professores, o grande beneficio é sem sombra a possibilidade dos alunos que vierem das províncias poderem morar no CEARTE em regime de internato, permitindo que a direcção da escola tenha um controlo maior deste alunos que ficarão longe das suas famílias, uma vez que o CEARTE é a único escola em Angola que oferece formação média em artes, enfatizou a directora do CERATE, Anabela Cunha, que também esclareceu que o auditório tem capacidade para mais de trezentos lugares sentados e está apetrechado com material de primeira.
Supervisionar, acompanhamento de saúde, orientação e alimentação serão assegurados pela escola, podendo assim cuidar melhor dos alunos. Até a data da inauguração, ainda estavam por acertar os critérios de admissão. A questão dos transportes, devido a rota pouco fluida em que está situada a escola, está a ser levada em conta com a máxima atenção pela direcção da escola e entidades superiores, que esperavam ver este problema solucionado o mais breve possível.

Alunos e professores
“Aqui no CEARTE vamos conseguir lapidar muitos artistas que ainda vêm bruto. Também é um garante de uma classe artística melhor para o futuro. Hoje temos cerca de 60 inscritos em dança”, disse Inocêncio de Oliveira, professor de Composição Coreográfica na escola de Dança e de Técnica de Expressão Corporal, na escola de Teatro.
Já Rosa, professora de Coro e Canto Lírico, garantiu que os alunos podem esperar mais desta escola com a abertura deste auditório, que é uma peça fundamental para os cerca de 100 alunos inscritos no curso de Música.
Osvaldo Tchisseca, aluno de Teatro e Cinema, sempre sonhou ser actor e representar grandes peças de teatro. Admirador de Leonardo di Caprio, é do Camama que começa o seu sonho de um dia ir a Hollywood e contracenar com os astros mundiais do cinema. Veio da Lunda Sul e está hospedado em casa de familiares. A jornada não tem sido fácil, porque os vulgos candongueiros ainda não circulam no perímetro onde está a escola. Mas, e porque diz-se que quem corre por gosto não cansa, o jovem nos disse estar seguro que terminará o curso.
Depois de uma performance de encher os olhos, sob música de Ângelo Boss e coreografia de Inocêncio de Oliveira, o dueto de alunos da 10ª classe composto por Julieta e Pascoal, veio pragmaticamente elucidar a importância do CEARTE. Julieta veio do Cubal e frequenta a disciplina de dança. Sempre sonhou ser bailarina e não sabia como isso podia acontecer, ainda mais se tratando de dança clássica. Chegou ao CEARTE indicada por um grupo de dança do Cubal. Dos seus sonhos, disse-nos que sonha chegar distante e recriar ao modo clássico as várias danças de Benguela.
Pascoal André veio da província do Bengo. Ficou a saber da escola em 2014 quando participou na passada edição do FENACULT. Não hesitou em abandonar o instituto politécnico e vir tentar a sua sorte no CEARTE, onde tem sido feliz, enquanto decorre a realização do sonho de tornar-se bailarino profissional. Os sonhos fervilham e já está a conceber a sua primeira obra, com perspectiva de ser lançada em breve.
Pedro Miguel, aluno de Música que estuda minuciosamente Violino e Piano, é Luanda e sonha de tornar-se um maestro. Disse-nos ser possível criar obras baseadas no cancioneiro tradicional angolano, estando aprender estes cálculos musicais que um dia usará.

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos