Laritza Sebastião: uma vida dedicada à dança

Envie este artigo por email

O mês de Novembro de 2018 foi um dos piores para as artes angolanas. Muitos dos seus “filhos” morreram. As perdas não foram limitadas apenas a literatura. A dança também perdeu um dos seus fazedores. Embora seja uma arte com pouca divulgação, Laritza Sebastião foi um dos nomes que muito lutou para dar um maior alento a este estilo.

O mês de Novembro de 2018 foi um dos piores para as artes angolanas. Muitos dos seus “filhos” morreram. As perdas não foram limitadas apenas a literatura. A dança também perdeu um dos seus fazedores. Embora seja uma arte com pouca divulgação, Laritza Sebastião foi um dos nomes que muito lutou para dar um maior alento a este estilo.
A artista, que residia em Benguela, no Condomínio Bango-Bango, trabalhou por anos, em prol de uma arte pouco divulgada, a dança. O seu trabalho começou desde cedo.
A sua formação começou em Luanda, na escola 200, no Bairro Hoji Ya Henda. Depois passou por várias instituições de ensino da capital e frequentou o primeiro ano da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica de Angola.
Em 2010 concluiu a sua pós-graduação em Técnica Yoruba Cubana (Danças Folclóricas Cubanas de procedência nigeriana), pela Escola Nacional de Arte de Cuba e um ano depois terminou uma outra pós-graduação em Bailes Sociais ou Danças de Salão cubanas, pela Faculdade de Dança do Instituto Supeior de Arte (ISA), em Cuba.
Ao longo do ano de 2011, concluiu também uma pós-graduação em Estudos Semióticos, pelo Centro de Desenvolvimento Científico Pedagógico da Faculdade de Ciências Pedagógicas da Universidade Enrique José Varona, assim como uma licenciatura na especialidade de Danças Folclóricas ou Populares Tradicionaisno Instituto Superior de Arte de Havana, República de Cuba, tendo-se graduado como bailarina, professora, coreógrafa, crítica, investigadora e historiadora em danças folclóricas ou populares tradicionais, cotemporânea e de iniciação ao ballet;
Além da sua formação académica frequentou as aulas de piano na Escola de Música, do Instituto Nacional de Formação Artística, actual Direcção Nacional de Formação Artística, assim como de teatro na Companhia Elinga Teatro, em Luanda. Na sua carreira profissional despontam a colaboração com a Direcção Nacional de Formação Artística do Ministério da Cultura e com a Escola de Artes do Bengo, como Professora de Danças Folclóricas, em 2017.
A artista também já trabalhou com a Companhia de Bailado Minessa, em Luanda, onde desenvolveu a sua paixão e vocação pela dança, tendo ascendido ao escalão de Bailarina Principal e participado em diversos eventos culturais e representações artística de dança no país e no estrangeiro. Participou ainda como professora e bailarina do projecto do Grupo de Dança Popular Tradicional Kussanguluka.
Durante a sua estadia em Cuba, integrou a Companhia ISA Dança , tendo tido participação marcante no Arte Dançário e outras actividades organizadas pela Universidade e pela Embaixada de Angola. Em 2018 fundou a sua escola de dança, tendo arrancado com o projecto de dança zumba, salsa e danças tradicionais, instalada em instalações provisórias no Bairro da Luz, no Lobito, Benguela.

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos