Nástio Mosquito na 56.ª Bienal de Veneza: “E será muito estranha que um angolano seja fâ dos Pink Floyd?"

Envie este artigo por email

A Bienal de Veneza conta outra vez com a presença de Angola em alta. A 56.ª edição do maior evento de arte do mundo não só tem a participação do pavilhão de Angola (que ganhou o prémio Leão de Ouro no evento anterior) mas também é palco de várias participações de um dos artistas mais interessantes na cena da arte contemporânea, Nástio Mosquito.

Nástio Mosquito na 56.ª Bienal de Veneza:
Nástio Mosquito

O artista multifacetado, nascido no Huambo, tem ganho proeminência com as suas performances musicais e teatrais que desafiam clichés das identidades africanas com um humor e estilo que levam a BBC a ponderar se ele é o artista mais “cool” desta bienal. Temas semelhantes aos de Mosquito podem-se encontrar tanto nos pavilhões nacionais como no show principal da bienal que este ano tem como diretor o nigeriano Okwui Enwezor que selecionou um número record de artistas de ascendência e da diáspora africana.
“Há uma energia muito boa no pavilhão da Bélgica, ainda estou a digerir o que lá vi,” diz o Mosquito, de óculos de sol, sentado na esplanada ao lado do pavilhão principal de Giardini. A delegação da Bélgica oferece este ano uma exposição centrada na República Democrática do Congo. Algumas das obras brincam abertamente com atrocidades coloniais, outras iluminam contribuições intelectuais importantes de um grupo de artistas congoleses. “Eu aprendi muito sobre a Internacional Situacionista neste pavilhão, que é muito engraçado e faz muitas conexões necessárias entre o presente e o passado.”
Engraçado, também é um adjetivo que se pode atribuir às muitas atuações que Nástio Mosquito apresenta em Veneza em colaboração com a galeria inglesa Ikon. Entre elas está “Fuck Africa Remix,” 2015, uma colagem visual irreverente onde o artista justapõe as imagens de si mesmo com as de líderes mundiais e celebridades, pondo em teste as reações dos espectadores com declarações como “eu comprei a Europa, eu comprei a América… Fuck Africa.” No vídeo “Demo de Cracía,” 2014, Mosquito incorpora um artista à beira de uma crise nervosa. “O protagonista podia ser uma “popstar” angolana e eu utilizo-o para abordar assuntos da cultura popular que me estavam a incomodar na altura,” diz Mosquito com uma atitude mais sóbria. “

Autor independente

Porque é que quando um angolano faz música tem que estar ligado à Kizomba? E será muito estranho que um angolano seja fã dos Pink Floyd? Eu penso que, apesar de estarmos cansados destes assuntos, se formos ter com as pessoas nas ruas vemos que há muitos assuntos por resolver e o indivíduo no vídeo tem esta crise por causa das expectações da sociedade.” Neste mesmo dia, Nástio Mosquito tem um show ao vivo em Veneza no evento da Bienal de Gotemburgo onde vai mostrar a sua música que ele diz ter sido recebida mais abertamente pela indústria da arte que pela indústria da televisão e rádio, onde Mosquito começou a sua carreira como diretor e cameraman. Nástio Mosquito é verdadeiramente independente e motivado, ele não está interessado em fazer parte de uma comunidade em especial, e não espera que as oportunidades lhe batam à porta. “Apesar de não me sentir muito confortável no contexto de uma bienal, estou contente por ter encontrado um lugar onde o meu trabalho faz sentido e onde me permitem articular a minha existência; mas pessoalmente, o meu espaço são as ruas.”
Ultimamente Mosquito tem-se interessado pela ciência o que não garante ser um tema do seu trabalho futuro. “Eu só pretendo continuar a aprender,” confessa ele. “Neste momento também estou a experienciar com espaços físicos e a estudar da relevância de se ver vídeos fora de casa. Mas o que é certo é que irei sempre escrever: é essa a minha essência. O meu trabalho começa com uma ideia à qual eu dou vida, e isso não irá mudar.”
Nástio Mosquito, Oratorio di San Ludovico, Calle dei Vecchi, Veneza, até 26 de Julho de 2015.

Will Furtado

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos