"Njinga - Rainha de Angola"

Envie este artigo por email

Momento singelo na história do cinema nacional "De miss a rainha: Lesliana Pereira convence na pele da Rainha!"

Avenida de acesso ao Centro de Convenções de Belas, Futungo, parou completamente para testemunhar a estreia da produção cinematográfica angolana mais esperada do ano “Njinga, Rainha de Angola”, no dia 8 de Novembro, uma sexta-feira.

A noite de 8 de Novembro não podia ser mais cultural e tradicional do que foi, com este evento organizado ao mais alto requinte, para receber distintas figuras da nossa sociedade, com grande realce para o convidado de honra, o Presidente da República, José
Eduardo dos Santos, acompanhado da primeira-dama, Ana Paula dos Santos, que fizeram questão de prestigiar este momento singelo da história do cinema nacional.

Um tapete vermelho foi colocado ao longo das escadarias de entrada do Centro de Convenções de Belas, onde desfilaram actores, músicos, professores, historiadores, escritores, jornalistas, políticos e amantes do cinema, que não queria ficar de parte deste registo para posteridade. O Hall de entrada foi transformado em cenário de algumas cenas do filme, com representação de actores de teatro, num belíssimo espectáculo de recepção aos convidados que começaram a se fazer presentes a partir das 19h e que foram envolvidos neste clima cénico, com o acompanhamento de música de instrumentos tradicionais, de forma a criar o mesmo ambiente vivido nas mbanzas e sanzalas de “Njinga”.

Quando já era a hora 21, depois de tanta ansiedade, começava a exibição do filme. As primeiras imagens surgiram na tela, mostrando a nossa linda flora e a narração dos primórdios do reino do Ndongo, formado com migrações de povos negros que vieram do centro de África e se instalaram na Matamba. O rei Ngola Kiluanje, na Mbanza Kabassa, a capital do reino, confrontava-se com a ocupação colonial no seu território e o tráfico de escravos. Em combate, o rei é ferido e, já no leito de morte chama os filhos e recomenda que eles defendam a terra até aos últimos dias das suas vidas. O Rei Ngola morre deixando uma grande preocupação aos Manis: quem seria o seu digno sucessor? Ngola Mbandi, Njinga Mbandi, ou Ngola Ary, filho bastardo do rei?

A embaixadora da paz

Como Njinga era mulher, à revelia, Ngola Mbandi autoproclama-se soberano do Ndongo. Mas Njinga já mostrava ser uma grande guerreira e estratega. Vai até à ilha onde o rei se encontra acantonado depois de uma derrota com os portugueses e de ter perdido a capital, e convenceu-o de que era preciso fazer uma trégua com os portugueses e depois tentar formar uma coligação. O rei aceita e manda uma embaixada a Luanda propor a paz. Njinga foi a chefe dessa embaixada. Mas Ngola Mbandi não respeitou o acordo de paz, continuou a fazer pequenas guerras. Não conseguindo derrotar os invasores, o rei morre envenenado.

Njinga assume o poder do reino do Ndongo, em momentos críticos, sofre algumas derrotas e alia-se aos holandeses, que mais tarde vêm a revelar-se traidores. Astuta e argilosa como só ela, vai tentar outras negociações, mas os portugueses não honram a sua palavra e assim vê-se forçada a formar uma coligação com os reinos da Matamba, Congo, Dembos, Kassanje e Kissama. Já como o forte apoio do povo, vai combater os portugueses até conseguir fazê-los renderem-se.

Mais do que um filme, “Njinga, Rainha de Angola” é uma grande aula sobre História e Cultura do povo e do surgimento desta grande nação chamada “Angola”, cujos filhos sempre se bateram pela sua emancipação, desde o rei Ngola Kiluanje Kia Samba. Nele podemos aprender que Njinga, para conseguir driblar os seus adversários portugueses e sair de vencida em muitas empreitadas, teve que contar com a ajuda e fiel lealdade das duas irmãs: Kifunje e Kambo e que teve ainda que sacrificar o seu amor por Kasa Kangola, pela sua causa, “a liberdade do povo”.

Um filme acima de tudo educativo, com muitas emoções, retratando os colombos dos reinos africanos daquela altura. As vitórias, os amores e dissabores da majestade do reino do Ndongo e Matamba. Onde todo o destaque é dado aos actores negros, e mais do que mostrar o lado da escravidão e do sofrimento, em “Njinga” procurou-se evidenciar o percurso desta guerreira angolana, neste primeiro trabalho de ficção de época, e só foi bom ter sido realizado por angolanos, porque a perspectiva de abordagem certamente não seria a mesma.

Este trabalho, com certeza um ganho da paz, encantou e convenceu todos os presentes na sala do CCB, com os belos planos bem elaborados, numa sequência narrativa devidamente estruturada, valorizando a língua nacional, em particular o Kimbundo. As imagens em fotos lindíssimas a destacar as várias paisagens naturais, como forte recurso que o país possui, existentes em Kissama e Malanje onde a maior parte das cenas foram rodadas com equipamentos da mais alta qualidade. O figurino, os acessórios, a caracterização, denotando a árdua missão de pesquisa que a equipa de produção teve na criação dos cenários de cada cena, conseguiram fazer as pessoas mergulharem no clima que se vivia na cidade de São Paulo de Assunção de Luanda, seus primeiros governadores e representantes da corte portuguesa.

Um elenco bem seleccionado

Aí também conseguimos notar a influência muito presente dos consultores que intervieram no projecto, neste caso: Izilda Hurtz; John Bela; Simão Souindoula; João Pinto. Com os seus subsídios, ajudaram na composição de certos elementos que tornaram as cenas o mais real possível e do tempo (séc. XVI) vivido por Njinga Mbandi na pele de Lesliana Pereira, que durante mais de oito meses de trabalho – preparação do texto, da personagem e início de rodagem – tão bem soube mergulhar na personagem e emprestar o melhor de si, para mostrar o sentimento que cada cena exigia, com a imagem de uma mulher verdadeiramente guerreira, sem tabus, com os seios à mostra, para não fugir á regra e identidade que todas as personagens femininas apresentavam, mas destacando-se na sua beleza e realeza.

Toda essa empreitada só teve sucesso com a ajuda dos directores e do elenco bem seleccionado, entre actores angolanos e portugueses, visto que algumas cenas foram gravadas também em Portugal. Dentre os actores angolanos com os quais contracenou
e teve forte apoio, destacam-se: Miguel Hurtz – Njali; Jaime Joaquim – Ngola Mbandi; Yolanda Viegas – Kanguela Kakombe; Sílvio do Nascimento - Kasa Kangola; Erika Chissapa – Kifunje; Orlando Sérgio – Kassanje; Carlos de Carvalho – Njinga Mona; Mendes Lacerda – Mani Lungo Mbandi; Ana – Kambo.

No final, eram só aplausos e congratulações aos actores, por parte do público que só largou a sala depois dos créditos finais, o que deu para aperceber que nem todos os actores que fizeram parte do trabalho viram os seus nomes na ficha técnica. Mas nem por isso estragou o momento que terminou com sessões de fotos e entrevistas entre os convidados, a imprensa e os protagonistas da noite. O filme não teria melhor bênção de estreia, uma vez que contou igualmente com a presença de representantes do poder tradicional, os sobas.

Agora é só esperar a reacção do público expectante, dada a enorme ansiedade que as pessoas têm em ver este trabalho exibido em televisão no formato de série, mas que só será possível daqui a alguns meses, por se encontrar em fase de acabamento. Por
enquanto, só mesmo “Njinga” nos cinemas. E o filme tem tudo para encher as salas, “tem tudo para concorrer em festivais internacionais”, como comentou Agnela Barros.

Está de parabéns a equipa criativa de “Njinga” encabeçada por Coréon Dú, assim como o argumentista, os realizadores, os directores, os actores, a equipa de produção, e demais integrantes deste projecto. Se a coisa pega, quem sabe não vem aí “Mandume” ou “Luéji” nos próximos anos.

Enquanto isso, vamos nos servir de “Njinga”, a rainha de Angola!


Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos