O ngoma deve rebelar o afro-jazz

Envie este artigo por email

Talvez haja na novíssima música angolana um temor do poder da rítmica do ngoma nos concertos. O ngoma deve rebelar o afro-jazz. Nasceram-nos no som do ngoma e a música sempre soube retribuir isso.

Ndaka (com cabaça na mão), Gabriel Tchiema e a Kembi a dançarem a típica dança do leste de Angola tchianda Fotografia: Moisés Luís

 O sax, tal como as guitarras se curvaram ao encanto do ritmo acelerado e cantante do rei ngoma, não pode estar alheio ao poder da percussão da música de raiz africana.
Ismael na guitarra, Kembi no coro, KD no baixo, Platini no piano, Dilson na bateria, Nana na percussão, Júlio Sierra no saxofone e voz de Ndaka Yo Wini, que passado para o português quer dizer “a voz do povo ou opinião pública”, levou-nos a esta stética na novíssima música mundial que é o afro-jazz.
Ndaka Yo Wini cantou no Espaço Verde Caxinde na noite de sábado (19) e deixou à vista que a vez da fusão afro-jazz ainda está por vir. Ainda está por acertar a comunhão entre o sax e o ngoma e dela devir a música que nos pretende propor.  
Do seu canto em umbundu, Ndaka, que está sempre a sorver o líquido da sua inseparável cabaça durante os shows – nisso que fica como marca pessoal do artista, é já conhecido do público pelos registos “Andjolela”, “Sonkolola” “Vakale” e “Ohele”, que sempre impuseram no Elinga uma obrigatória mudança de aura e que já uma vez em dueto com a estrela namibiana Elemotho fizeram-nos sonhar que a música africana um dia poderá reclamar um lugar de destaque nos tempos que se avizinham.        
Ndaka contou com a participação das cantoras Sandra Cordeiro e Ângela Ferrão, do pianista Nino-jazz e de Gabriel Tchiema, uma referência sua nesta onda da fusão.
Ndaka sempre deixou claro que segue Tchiema, e este sempre viu em Ndaka o jovem talentoso que marca os passos certos e a quem “o tempo reserva muitas boas surpresas pela forma especial como tem tratado a música”.
Brincando, afirmou que a “música nunca lhe deu alternativa de estar longe dela”, embora já tenha tentado, mas sem sucesso.         

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos