Olof Palme homenageado em Luanda

Envie este artigo por email

O dia nacional da Suécia foi assinalado, antecipadamente, a 31 de Maio, em Luanda com a apresentação do busto do antigo primeiro-ministro Sueco, Olof Palme, o “lutador honorário pela liberdade”, pelo embaixador da Suécia em Angola, Lennart Killander Larsson, num jantar na sua residência oficial onde exibiu a escultura de Palme criada pelo artista Angolano, Jone Ferreira.

O dia nacional da Suécia foi assinalado, antecipadamente, a 31 de Maio, em Luanda com a apresentação do busto do antigo primeiro-ministro Sueco, Olof Palme, o “lutador honorário pela liberdade”, pelo embaixador da Suécia em Angola, Lennart Killander Larsson, num jantar na sua residência oficial onde exibiu a escultura de Palme criada pelo artista Angolano, Jone Ferreira.
O dia nacional que é celebrado a 6 de Junho, relembra a eleição do rei Gustavo Vasa em 1523 e a promulgação da Constituição, em 1809.
Olof Palme nasceu em Estocolmo, em 1927 e foi assassinado em 1986. Exerceu o cargo de primeiro-ministro nos períodos 1969 a 76 e 1982 a 86. Iniciou a sua carreira política em 1953 e entrou para o parlamento sueco em 1958. Já nessa altura, Palme tinha ideias políticas bem definidas: a eliminação do colonialismo; o direito à autodeterminação nacional; a necessidade de uma nova ordem económica global; a luta contra o racismo; e o sonho dos direitos iguais e da democratização da educação.
Palme foi um reformador, acreditou numa sociedade forte em que o emprego e o sector público são determinantes para aumentar a igualdade entre diferentes grupos sociais e também entre homens e mulheres.
Eclesiásticas, em 1967. Foi eleito líder do partido Social Democrata, em 1969. Em Julho de 1970, Agostinho Neto e Olof Palme reuniram-se em Estocolmo e a partir de então, o MPLA passou a receber apoio humanitário, incluindo a escola que o movimento angolano detinha no Congo.
A ajuda Sueca permaneceu até à independência de Angola. Em Fevereiro de 1976, a Suécia reconheceu oficialmente Angola e abriu a sua representação diplomática em Luanda.
Sobre o impacto que Olof Palme teve nos movimentos independentistas africanos, Paulo Jorge, antigo ministro Angolano das Relações Exteriores, em entrevista para o Liberationafrica.se, contou que esteve num encontro em Maputo, Moçambique em que Palme também participou. “Num jantar oferecido pelo presidente Samora Machel, na mesma mesa que eu estavam Machel, Palme, Joaquim Chissano, o ministro moçambicano das Relações Exteriores e outros líderes. Nessa ocasião destacou-se o envolvimento de Palme na libertação do continente africano e por causa do seu compromisso com os movimentos de libertação, foi-lhe atribuído um título honorário. A partir daquele momento começamos a dirigir-nos ao primeiro-ministro Olof Palme como o “lutador honorário pela liberdade”.

JONE FERREIRA ALBERTO
O autor da escultura de Olof Palme nasceu em 1989, em Ndalatando. É um artista autodidacta, que trabalha apenas com materiais reciclados para mostrar à sociedade que podemos acabar com os desperdícios.
O artista acredita na formação continua dos jovens que têm mostrado a sua arte e criatividade em várias disciplinas artísticas. Em 2014, com base em toda esta experiência, o artista criou o ´Museu do Lixo´ sito no Município de Belas, através do importante apoio do Ministério do Ambiente, Departamento de Saneamento e Tratamento de Resíduos Sólidos. Em 2017, fez uma exposição individual de nome “A Lenda da Transformação” no ´ELA - Espaço Luanda Arte´. As suas obras pertencem a várias colecções nacionais e internacionais.

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos