Paisagem queimada

Envie este artigo por email

É com esse questionamento que o artista Angel IHOSVANNY apresenta PAISAGEM QUEIMADA, exposição inaugurada na Quinta-feira, dia 28 de Junho de 2018, na Galeria MOV´ART.

O que fizeram com a nossa identidade?
É com esse questionamento que o artista Angel IHOSVANNY apresenta PAISAGEM QUEIMADA, exposição inaugurada na Quinta-feira, dia 28 de Junho de 2018, na Galeria MOV´ART.
Resultado de uma Residência Artística que o artista realizou em Luanda durante 30 dias, as obras resultam da atmosfera de uma Luanda actual, focando-se na história da cidade que tem sido queimada com a construção de grandes fantasmas que colocam o verdadeiro “EU” de Luanda à sua margem. Um desenvolvimento precoce e precário que tem queimado os rostos de identidade da cidade, onde a beleza natural das paisagens iconográficas tem sido violentada pelo acompanhamento do modernismo.

ANGEL IHOSVANNY BIO
Nascido na província do Moxico em 1975, Ihosvanny é autodidacta e Membro dos chamados Movimento dos Nacionalistas (único movimento, não oficial, de artes plásticas em Angola), integra-se na nova geração de artistas angolanos nascidos depois da independência.
O foco do seu trabalho centra-se nas principais questões ligadas ao urbanismo, físicas (infra-estruturas, poluição visual e sonora, consumismo) e psicológicas (comunicação, relações interpessoais).
Tem mais de uma dúzia de exposições feitas (individuais e colectivas), em Angola, Uganda, EUA, Brasil, Espanha, Itália, França e Portugal.
Integra várias colecções institucionais e privadas, entre elas: Fundação Sindika Dokolo, Fundação Ellipse ou Fundação PMLJ.

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos