Salvador Ferreira a teleologia da imagem

Envie este artigo por email

O Santinho um dia apareceu me lá em casa com uma pilha de fotografias, explicando-me que gostaria de descobrir que discursos e mensagens se cruzavam nos atos de fotografar e de ser fotografado.

Ana, a apresentadora do livro

Começamos a especular sobre as verdades e mentiras que se adivinhavam nas fotos, sobretudo naquelas que retratam pessoas. Seria o sorriso sinal de felicidade ou apenas uma pose/máscara para a foto? Será uma expressão natural ou apenas uma produção para que o futuro perpetue a imagem que queremos que fique de nós? Será que é possível disfarçar uma dor colocando um par de óculos escuros?

Será que uma fotografia, para ser verdadeira constitui uma traição ou uma invasão ou pode ser uma aproximação consentida de alguém que tem a capacidade de, apesar de estar a ser observado, se conservar inalterável. Será isto possível?

Uma coisa é certa, as fotografias são sempre o olhar de quem as tira e de quem as vê e interpreta, independentemente dos “modelos” e das suas verdadeiras histórias.

Mas nas fotos do Santinho, as pessoas e a natureza, o desfoque e os enquadramentos mais descontraídos revelam-nos um olhar verdadeiro de sua parte. Um olhar de quem quer apanhar e guardar aquele momento preciso e não o outro momento depois da objetiva estar “no ponto” e o alvo bem enquadrado.

Aceitei o desafio pois assim também é a dança: uma linguagem para ser fruída através do olhar. E se a dança é a arte do movimento efémero, a fotografia pode ser a arte de fixar, num clique, momentos efémeros.

Mas, o que move uma pessoa como o Santinho que estudou Agricultura no Tchivinguiro, que trabalhou na área da Energia e Fontes renováveis no Ministério da Energia e Petróleos, que esteve ligado ao reforço de organizações da sociedade civil angolana na ADRA e, na DW, a programas de água e saneamento, e que possui um grau de Mestre em Planificação e Gestão, a dedicar-se à fotografia?

Este livro, “A Fotografia do Quotidiano” deu inclusivamente prioridade a um outro, “Parceria público-privada em Angola – Uma experiência sobre o micro-crédito”, publicado em 2010.

Ele próprio nos dá a resposta: “uma fotografia – diz ele – consegue colocar- nos diante de um enigma temporal, ou seja, logo que a vemos, vem à nossa mente, uma série de questões, tais como: quem é? Quando foi tirada? Onde foi tirada? Porque foi tirada? Isso porque (…) a fotografia (…) representa a vida, a memória, o reencontro, o espelho e o retrato de certos momentos”.

Mas Santinho revela ainda outras justificações: “ela [a fotografia] ilustra também, de forma poética, histórica, emocional e artística, a tentativa das pessoas registarem os acontecimentos e a trajetória das suas vidas, o que as faz lembrar o seu passado e as torna conscientes da sua origem por vezes longínqua na dimensão do tempo e do espaço.”

A preocupação em torno da representação quer de imagens, quer de sentimentos e as possibilidades da fotografia enquanto fonte de conhecimento, da história, das estórias pessoais e privadas, bem como a permanência no tempo que a fotografia proporciona são outros dos pontos com que o nosso amigo justifica, e muito bem, quanto a mim, a importância de se fotografar.

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos