Tendências e inovações em mostra

Envie este artigo por email

Entre a tradição e o quotidiano existe todo um potencial inovador em termos culturais que pode ser explorado e apresentado ao público. Este é o conceito que levou vários artistas dos países de língua portuguesa a unirem traços para, juntos, criarem o Volume II de “Autores Lusófonos”.

Entre a tradição e o quotidiano existe todo um potencial inovador em termos culturais que pode ser explorado e apresentado ao público. Este é o conceito que levou vários artistas dos países de língua portuguesa a unirem traços para, juntos, criarem o Volume II de “Autores Lusófonos”.
A mostra colectiva, patente no Camões - Centro Cultural Português -, em Luanda, até o dia 26, traz nomes conhecidos das “belas artes”, que procuraram, no cruzamento de gerações, trazer diferenças e pontos comuns na sociedade dos seus países.
O objectivo como fica patente para quem for visitar a mostra, aberta ao público das 10h00 às 18h00, é conhecer um pouco mais da realidade destes países, a partir da visão dos artistas. Os temas em destaque em cada um dos trabalhos expostos apresenta a visão, mais centrada no lado humano, de cada um dos artistas convidados desta edição, que procurou “olhar” não só para o presente, mas também o passado e perspectivar o futuro.
Com “Autores Lusófonos”, os artistas procuram também apresentar a sua ideia sobre certos momentos e expressões estéticas, que são parte fundamental da história e da cultura de qualquer um dos seus países. As mudanças sociais e culturais, provocadas por influências externas e aquelas que são comuns a dinâmica da própria sociedade, também estão em foco na exposição.
Ao visitante diversas questões surgem ao visitar a exposição. Mas o mais importante a reter é a ideia geral, que é mostrar a lusofonia e as suas sociedades num panorama contemporâneo e mundial, onde a tradição e o modernismo convivem e criam vários dilemas para os lusófonos. Para representar a ideia, artistas de duas gerações, sendo uma continuidade da outra, uniram os seus talentos, através da pintura, fotografia, desenho, escultura ou montagens, e fizeram da língua um elemento de ligação.
Apesar de terem muitos traços comuns, a diversidade, gerada pela reflexão individual de cada um dos artistas convidados da mostra e as suas análises da sociedade actual, dão um “toque especial” feito para atravessar as fronteiras da língua, através da sua imagem e expressão artística.

OS ARTISTAS
A segunda edição da exposição “Autores Lusófonos” tem diversos nomes como destaque. A maioria com a experiência de anos como referência. Outros nem tanto, apesar de já estarem ligados há décadas as artes. Entre os nomes desta edição destacam-se os angolanos Délio Jasse, Ihosvanny, Kiluanji Kia Henda, Lino Damião, Paulo Jazz, Paulo Kapela, Paulo Kussi e Yonamine, os portugueses Rita GT, Francisco Vidal e Inez Teixeira, o guineense Nú Barreto, os moçambicanos Jorge Días e Mauro Pinto, o cabo-verdiano Abraão Vicente, o são-tomense René Tavares e a brasileira Rossana Ricalde.

O CONVITE
O projecto artístico é uma iniciativa da Fundação PLMJ - Advogados, de Portugal, que decidiu apostar mais na cultura, desde 2001, como forma de incentivar a arte e os seus criadores. A princípio o projecto era direccionado apenas à arte portuguesa. Mas com o intuito de o tornar mais amplo decidiu-se incluir os de outros países lusófonos.
A primeira edição foi realizada em Maputo, em 2016, numa iniciativa da referida fundação, em parceria com o Camões, no 11º Encontro das Fundações da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). Desde a primeira edição até hoje o objectivo de mostrar a actual criação contemporânea das gerações mais recentes manteve-se.

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos