• ARLINDO BARBEITOS

    Nasceu a 24 de Dezembro de 1940, em Ikolo e Bengo.


    Fez estudos primários em Catete e Luanda. Na capital, frequentou o antigo colégio das Beiras e depois o Liceu Salvador Correia. Seguiu, em 1958, para Portugal para ingressar na Universidade. Cedo se converteu em membro da antiga Casa dos Estudantes do Império (C.E.I.) e ali se tornou militante do Movimento Anti-Colonialista (M.A.C.).

    Em 1961, escapou para Paris, onde se integrou nas fileiras do MPLA. De França, ainda em Setembro de 1961, partiu, já sob o mando daquele "movimento", para Frankfurt/Main, na Rep. Federal da Alemanha. De 1961 a 1963, trabalhou como operário braçal naquele grande centro económico e financeiro alemão, europeu e mundial.

    Em 1964, na J. Wolfgang Goethe Universitaet, iniciou o estudo de Sociologia, onde permaneceu até o Vordiplom (bachelerato) 1968. Então, nesse mesmo ano, encetou uma formação em Antropologia.

    Em 1971, regressou ao país e foi colocado como quadro do C.I.R (Centro de Instrução Revolucionária) nas zonas libertadas do Moxico. No princípio de 1973, provido de autorização superior, já de volta à Alemanha, agora em Berlim Ocidental, começou o tratamento de uma tuberculose e de outras sequelas de ferimentos adquiridos em combate em que participou na luta contra o colonialismo português.

    Interrompeu, em Setembro de 1975, a formação e a atividade docente em Berlim e veio para Luanda; integrado no Protocolo da Presidência da República Popular de Angola, trabalhou, por dois anos, como intérprete de alemão do Dr. Agostinho Neto;

    A 10 de Dezembro de 1975, tornou-se um dos escritores-fundadores da União dos Escritores Angolanos (U.E.A.). De imediato, em versão um tanto modificada da edição em português-alemão, saída na Holanda em 1974 , publicou-se em Luanda, o livro de poemas Angola, Angolê, Angolema. Em 1979, veio a público N'Zoji, 1991, chegou a vez de Fiapos de Sonho, por fim em 1998, em Lisboa foi editado o Na Leveza do Luar Crescente.

    Todos estes livros, de poesia, espelham, em forma transfigurada de metáfora poética, reflexões sobre diferentes fases da História de Angola - da luta de libertação, da independência, da revolução, do de conseguimento seguinte e da guerra civil. Em 1985, divulga, através do U.E.A., as estórias curtas de, O Rio - Estórias do Regresso.

    Em 2005, 2007, respetivamente em Lisboa e em Luanda, aparece o ensaio de filosofia política, A Sociedade Civil, Estado, Cidadão, Identidade em Angola. Numerosos poemas seus surgiram em diversas antologias, angolanas, portuguesas, brasileiras espanholas, italianas, francesas, alemãs, etc. A sua dissertação doutoral veio à luz, em versão original, em francês - Angola/Portugal: des identités coloniales équivoques. Historicité des représentations de soi et d'autrui, em 2008 em Paris.

    Esta tese resultou de uma longa e complexa investigação, que demorou mais de 6 anos, principiada em Luanda e prosseguida em arquivos portugueses. A tradução para o português foi publicada em Luanda, 2012, pela Editora Kilombe-Lombe.

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos