Kufikisa kwa mahamba ma kakalunga.

Envie este artigo por email

Mungongomutwalamwalamundumbaadila
Maudidilu ma nzalamazalesamalambamasunga
Ndumba ala hanjinimwenyuakwambukaananga
Nimakumosununemukubingilayosoyajimbidila!


MU NGONGO MU TWALA
I
Mungongomutwalamwalamundumbaadila
Maudidilu ma nzalamazalesamalambamasunga
Ndumba ala hanjinimwenyuakwambukaananga
Nimakumosununemukubingilayosoyajimbidila!
II
Mungongomumumwalamuisunjiijimbidisa
Ondondoyamwenyu, omwenyuiyiikwambuka
Mukitanganakyoso, mukutubangesakubambuka
Kwenekwakalajindungejinajilayamukutudidisa!
III
Mungongomumumutwalasayium ndumbaasulula
O dizwidyadyaswinamukukalamukwambelaima
Imayakidiniyamakutumukididikyenekimoxi
Mukondaandalakumonakilunjikyakulungula
Kibangekimahaamudyataakwenualodikola!
IV
Mungongomutwalamwalamuhanjiasumbwidi
Asumbwidiyamwenyuwangeneakalamukunwa
Omenyamenyamamakalamukulayesaatukianwa
Okubwimakwakitembukyololenganiwoma, kidi!
V
Mungongomumumutwalamwalamuumbangala
Wandumbadyaatuasumbulamwenyuwangene
Mutuutukumukaamwambatakyasekwijiyakwebi
Twanaku bata twadila, twasota, twalembwakumusangela
Omutuwenyowatunduku bata walembwakuvutuka!


NO MUNDO EM QUE VIVEMOS

(I) No mundo em que vivemos há muitos que choram/Prantos de fome que fazem com que a desgraça inche e puxe/Muitos ainda com vida desfalecida e que vivem/Com as mãos esticadas pedindo tudo o que se acha perdido!
(II) Neste mundo há espíritos que fazem com que se perca/A noção da vida, desta vida que desfalece/A todo o instante fazendo com que nos desviemos/Para onde existam habilidades que vivem para nos fazer chorar!
(III) Neste mundo em que estamos há muitos que libertam/O vigor da sua voz para estarem a dizer coisas/Coisas verdadeiras e mentirosas no mesmo lugar/Por quererem ver a sua ideia vencer!/Não importando que estejam a pisar quem grita!
(IV) No mundo em que vivemos ainda há usurpadores/Usurpadores da vida alheia que permanecem bebendo/Essa água que fica a dar vida às pessoas que não absorvem/O respiro do vento que foge por medo é vero!
(V) No mundo em que nos encontramos permanece a crueldade/De muita gente que usurpa a vida alheia/Quem se assusta por sentir-se levado sem saber para onde/As crianças em casa choram, procuram sem conseguir encontrar/Quem saiu de casa e não conseguiu voltar!  



Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos