Eugenio Bennato no Cine Nacional: Eugenio Bennato no Cine Nacional

Envie este artigo por email

"O sublime da música popular está na habilidade de misturar coisas muito alegres com as coisas muito sérias. E as músicas populares são muito diferentes das músicas pop comerciais e das multinacionais",  Eugenio Bennato

Taranta é uma música popular de terapia, de medicina. A sua história nasce de uma mítica aranha da Itália meridional que se chama tarântula. Segundo o mito, a taranta, tarântula, é uma aranha da loucura cujo único remédio contra a sua mordedura é o de bailar ao ritmo da taranta, o que faz desta uma típica música e dança terapêutica.

Da voz leve de Eugenio Bennato submergiu tumulto e luta. A sua taranta, proposta terapêutica, é também um múltiplo dialeto das dores do mundo. Agora já não é só pela picada da aranha, é também pela liberdade do ser com que viveu em intensidade e grandeza e se evolou ébrio de humanismo no palco do Cine Nacional na noite de 22 de Outubro, com "Neda", primeira música do álbum "questione meridional", que solidificou assim a dualidade da música popular ser tão dançante quanto séria, ao homenagear uma manifestante iraniana assassinada.

"Nesta música nós nos acostumámos a dizer tudo que sentimos. E agora eu senti que era preciso divulgar a imagem de uma mulher que não está mais entre nós. Essa mulher era uma pianista, uma musicista. Por isso, eu creio que todo o mundo, e decididamente os jovens, pode conceber uma outra dimensão da história mundial, disse o cantor e compositor Eugenio Bennato.

O semba da Banda Maravilha foi a parceira nacional com que a taranta se fundiu. Em palco com a banda angolana e com muita improvisação momentânea, o tema "A volta por cima" apareceu como ponte para deixar as duas bandas na mesma sinfonia, um sucesso nacional que o cantor italiano já conhecia de outros bons momentos de música.

"A Banda Maravilha é um grupo de música muito especial para mim, por serem tipicamente angolanos e também por serem músicos tecnicamente bons. Porque canta uma canção à qual eu já sou muito afeiçoado: "A Volta por Cima". E também porque há muitos anos tivemos a oportunidade de dividirmos o palco durante um concerto em que estávamos eu, a Banda Maravilha e a Maria Betânia", disse o italiano.

Composto por Stefano e Edson na guitarra eléctrica, Kiara Carnavale com tamborelo, chetacavalo e tamorra, vozes de Eugenio e Sónia, o grupo Taranta Power decifrou melodias contemporâneas na ousada mistura de influências árabes, africanas e a inconstância do rock. Numa noite repleta de euforia, a banda pintou o ambiente com sucessos como "IL sorriso de Michela", "IL mondo corre", "Balla la nueva Italia" e outros mais que preencheram as mais de duas horas de música.


Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos