Florent Mazzoleni: dos lamentos ao kuduro

Envie este artigo por email

Dia 7 de Novembro, o Museu de História Natural recebeu um cacho de fruta humana, ávida de escutar Florent Mazzoleni, especialista em música africana, autor de 20 monografias sobre música africana que veio a Luanda apresentar o resultado das suas pesquisas, sob o título de “Músicas Modernas de Angola: dos lamentos ao Kuduro”.

Foi em Bordéus, em 2008, na bienal de Arte, que Mazzoleni teve o primeiro contacto com Angola. Depois esteve em Luanda a participar na primeira conferência sobre o kuduro, em 2012.

O palestrante projecta na parede da sala de conferencias diversas imagens de capas de Long Plays do tempo colonial, enquanto vai falando. Segundo ele, a Rumba congolaise pode ser considerada a primeira música moderna do continente. Foi ela que inspirou o Ngola Ritmos e o seu mestre Liceu Vieira Dias. As influências modernas foram a introdução da guitarra eléctrica no pós-guerra (1945-50). O Congo foi fundamental no desenvolvimento da música angolana, bem como as rotas da emigração.

Outro nome daquela época é o de Camille Ferruzi que, diz Mazzoleni, influenciou o trovador angolano Minguito. Da boca de Florent Mazzoleni saíram grandes verdades: a grande revolução da música angolana aconteceu nos anos 60 e os cantores compunham e cantavam crónicas do quotidiano. Das peças que ouvimos, encantou-nos a suavíssima voz de Belita Palma, um canto de pretexto subtil, a interpretar o poema de Agostinho Neto “Caminho do Mato”. Das Caraíbas também veio uma certa inspiração Melódica que acendeu as guitarras dos Jovens do Prenda.

Da apresentação feita pelo investigador francês, fica-nos na alma uma nostalgia: - da inventividade e vitalidade dos Kiezos, nos anos 70;

- da virtuosidade, fluidez natural no diálogo entre a guitarra e a dikanza;
- do orgulho de ser africano, até nas designações dos agrupamentos musicais e nas ilustrações das capas dos discos e sobretudo na aposta no canto em línguas nacionais.

Aspectos que a música angolana actual, na sua maioria, embrenhada num pretenso culto da modernidade (ou será apenas uma ilusão de modernidade?) pretende ignorar...


 


 



 


 



 


 



 


Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos