Hugh Masekela jazz trepidante na pele do Ngoma

Envie este artigo por email

Quem escutar "Stimela (Coal Train)", do álbum "I Am Not Afraid", uma canção introspectiva e sombria de Hugh Masekela, que faz referência ao trem que transportou os mineiros de Joanesburgo compreenderá porque essa melodia antecede e sinaliza a chegada de uma nova música-mundo. Nos acordes dessa música perpassam o fogo e o ritmo do ngoma, e o jazz submete-se à trepidação da sua pele.

Hugh Masekela

Quem escutar "Stimela (Coal Train)", do álbum "I Am Not Afraid", uma canção introspectiva e sombria de Hugh Masekela, que faz referência ao trem que transportou os mineiros de Joanesburgo compreenderá porque essa melodia antecede e sinaliza a chegada de uma nova música-mundo. Nos acordes dessa música perpassam o fogo e o ritmo do ngoma, e o jazz submete-se à trepidação da sua pele.
Este estilo musical de Msekela advém do interesse renovado pelas suas raízes africanas que levaria Masekela a colaborar com músicos da África Ocidental e Central , e, finalmente, a se reconectar com os músicos sul-africanos, quando montou, com a ajuda da Jive Records, um estúdio móvel em Botswana, próximo da fronteira da África do Sul, entre 1980 a 1984. Aqui ele absorveu e reutilizou influências do mbaqanga, um estilo que ele continuou a usar desde o seu retorno à África do Sul no início da década de 1990.
Em 1985 Masekela fundou a Escola Internacional de Música de Botswana (BISM), que realizou a sua primeira oficina em Gaberone naquele ano. O evento, ainda existente, continua como o Botswana Music Camp, dando a músicos locais de todas as idades e de todas as origens a oportunidade de tocarem juntos. Masekela leccionava o curso de jazz na primeira oficina, e tocava no concerto final.
Frequentou a Escola de Música de Manhattan, em Nova York, onde estudou trompete clássico de 1960 a 1964. Em 1964, Makeba e Masekela se casaram, divorciando-se dois anos mais tarde.

O trompete como arma
Nascido e criado na opressão do apartheid sul-africano, em meados da década de 1950, Hugh Masekela tornou-se um dos mais requisitados músicos jovens em toda a África do Sul. Trabalhou com o pianista Abdullah Ibrahim e com o seu próprio parceiro musical e futuro cônjuge, a cantora Miriam Makeba. Empunhando o seu trompete como uma arma, tornou-se um artista puro e poderoso, inspirado por artistas afro-americanos como Miles Davis e Paul Robeson.
A canção "Soweto Blues", cantada por sua ex-esposa, Miriam Makeba, é uma peça blues/jazz em memória do massacre de Soweto em 1976.
Masekela nasceu em Kwa-Guqa Township, Witbank, África do Sul. Começou a cantar e a tocar piano quando criança. Com 14 anos de idade, depois de ver o filme Young Man with a Horn (em que Kirk Douglas interpreta um personagem inspirado no cornetista de jazz norte-americano Bix Beiderbecke), Masekela passou a tocar trompete. O seu primeiro trompete foi-lhe dado pelo Arcebispo Trevor Huddleston, o capelão anti-apartheid da St. Peter's Secondary School.
Huddleston pediu ao líder da então Johanesburg "Native" Municipal Brass Band, Uncle Sauda, para ensinar a Masekela os rudimentos do trompete. Masekela rapidamente dominou o instrumento. Em breve, alguns de seus colegas de escola também se interessaram em tocar instrumentos, levando à formação da Huddleston Jazz Band, a primeira orquestra juvenil da África do Sul. Em 1956, depois de liderar outros conjuntos, Masekela juntou-se ao African Jazz Revue de Alfred Herbert.
A partir de 1954, Masekela tocou música que reflectia a sua experiência de vida. A agonia, o conflito e a exploração enfrentadas pela África do Sul durante as décadas de 1950 e 1960 inspiraram e influenciaram-no a fazer música e também a espalhar a mudança política. A sua música vividamente retrata as lutas e dores, bem como as alegrias e paixões de seu país. A sua música protestou contra o apartheid, a escravidão, o governo; as dificuldades que indivíduos estavam vivendo. Masekela atingiu uma grande parte da população que também se sentia oprimida devido à situação do país.

Exílio

Na sequência do massacre de Sharpeville em 21 de Março de 1960, onde 69 manifestantes foram mortos a tiro em Sharpeville, e à proibição pelo governo da África do Sul de reuniões de dez pessoas ou mais, bem como ao aumento da brutalidade do estado do Apartheid, Masekela deixou o país. Foi ajudado por Trevor Huddleston e amigos internacionais, tais como Yehudi Menuhin e John Dankworth, que o inscreveram na London Guildhall School of Music. Durante esse período, Masekela visitou os Estados Unidos, onde foi acolhido por Harry Belafonte.
Quando se inscreveu na prestigiada Manhattan School of Music, ficou exposto ao jazz americano e à cultura da cidade de Nova Iorque. À medida que as intensas mudanças culturais dos anos 60 se desdobraram, a música de Masekela também começou a mudar, incorporando elementos musicais contemporâneos na mistura. Juntamente com uma nova onda de bandas de rock, Masekela foi introduzido na consciência americana pela sua aparição no Festival Pop de Monterey de 1967, onde realmente emergiu, junto com artistas como Jimi Hendrix e Janis Joplin. No ano seguinte, atinge com "Grazing In The Grass" o n. ° 1 nas tabelas pop e R & B.

“Languta”

Depois de uma onda de sucesso popular no final dos anos 1960, Masekela voltou para a sua terra natal em 1970, juntando-se a Miriam Makeba para um passeio pela Guiné. Foi durante essa turné que conhece o músico nigeriano do afrobeat Fela Kuti, e a banda ganense, Hedzoleh Soundz, que estavam a arder por toda a África com uma nova forma de jazz-funk que foi fortemente influenciado pelos ritmos entrelaçados de afrobeat e a espessa melodia de James Brown. Em 1973, eles fizeram o álbum inovador, "Introducing Hedzoleh Soundz". Mesmo passadas várias décadas, este álbum continua sendo um dos exemplos mais convincentes de um músico de jazz trabalhando sob uma autêntica forma de música africana. É justamente considerado um dos álbuns de fusão afro-americanos mais influentes de todos os tempos.
O que nos leva a 1974, quando Masekela e Hedzoleh Soundz trouxeram a sua música altamente original ao público americano pela primeira vez. Felizmente, esta gravação da Record Plant captura esse momento histórico com clareza cristalina. Um dos melhores exemplos aqui é "Languta", uma faixa destacada do álbum acima mencionado. Cada segundo desta performance é temperado com ritmos africanos voláteis e trabalhos subtis de violão. Acrescente a estas corridas de trompete de Masekela os vocais afegãos afiados, e uma onda de som turbulenta envolve o ouvinte num mundo cheio de emoção. Tão cerebral quanto essa música é, continua a ser, finalmente dançável. No final deste conjunto notável, o grupo começa a adelgaçar-se, primeiro com "Love Song For A Jungle Afternoon", trazendo luz para a sensação mais escura de algumas das músicas que a precederam. Tomada como um todo, essa longa composição faz sentir a boa música no seu sentido mais literal, espalhando uma mensagem musical de amor que transcende quaisquer barreiras linguísticas.

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos