"Rememoração do tempo e da humildade"

Envie este artigo por email

José Luís Hopffer Almada

José Luís Hopffer Almada

Decorreu, dia 1 de Julho, nos Paços do Concelho de Lisboa, a apresentação pública do livro “Rememoração do Tempo e da Humidade (Poema de Nzé de Sant’y Ago)” do poeta caboverdeano José Luís Hopffer Almada e dirigente da Associação Caboverdeana de Lisboa.
Filinto Elísio escreve que “O livro de José Luís Hopffer Almada, “Rememoração do Tempo e da Humidade” (Imprensa Nacional Casa da Moeda), (...) reconfirma algo já escrito nas estrelas das letras cabo-verdianas.
Hopffer Almada realiza neste seu novo livro a articulação de seis outros ‘livros’ – ‘A infância e os mitos assinalados’ e o subtítulo ‘Assomada nocturna revisitada’; ‘Terra Longe-Diásporas’; ‘Sanvicentinas (Reformulações Mindelenses)’; ‘Revisitações da Casa do Tempo e do Saber’; ‘Praianas’; e ‘(Es) pasmos da Desesperança e da Dor de Liberdade (ou Reencenações da Maturidade dos Tempos e dos Heróis Reinventados)’. Livro que, aporta em subtítulo ‘Poema de Nzé di Sant’ y Águ’, que o ressignifica em completude assonante do verso em mote Lembras-te e dos versos em refrão Todos nós éramos/todos nós fomos; Livro que sectoriza o leitor para cada livro de cenários profusos, mas numa linha de remarcação do sujeito poético complexo.
O arco e a lira em José Luís Hopffer Almada também armam-se da recordação, da ontologia, da epifania e da litania. São orações, se quisermos, em toda a sua ambivalência, porquanto empreendem os versos tanto na retroversão do passado (ecos e ressonâncias) do Poeta, como na prospecção do futuro (desejos e pulsares) no projecto poético tornado livro. Fica-nos a dúvida: será que a paixão vigorosa do puro texto a varrer a temporalidade o nascedouro do épico moderno?”

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos