Ébola & renascimento africano

Envie este artigo por email

Foi preciso aparecer a pandemia do Ébola, em três países do oeste de África, para a própria Natureza provar que os problemas da África não são iguais aos da Europa nem aos da América do Norte.

Ébola & renascimento africano
Ébola & renascimento africano

Por isso, as soluções sócio-económicas que elaboramos aqui não podem ser as mesmas da chamada Democracia Ocidental. Esta conclusão remete para o conceito de renascimento africano, cada vez mais em desuso.
Segundo os relatos da imprensa, “a epidemia do Ébola já fez cerca de 2.000 mortos, desde o início do ano, na Guiné-Conacri – onde começou o surto – na Libéria, na Serra Leoa e na Nigéria”, e agora revela que há corpos não contabilizados deitados nos rios, e enterrados no mato, o que dá a entender que as vítimas são mais numerosas.
West Point, o bairro que a presidente Ellen Johnson Sirleaf colocou em estado de quarentena, tem mais de 70 mil moradores e conta com apenas quatro latrinas públicas. Quinhentas pessoas por dia usam as latrinas comunitárias e há dejectos acondicionados em sacos plásticos por aqueles que preferem não usar os banheiros públicos, numa zona onde chove a cântaros.
Para o escritor liberiano e pesquisador da Universidade de Londres, Robtel Neajai Pailey, a situação em West Point não é simplesmente causada pelo Ébola, mas sim uma demonstração do que chama de crise de cidadania num país que não atende às necessidades dos mais pobres.
A primeira grande lição do Ébola é que, em África, os problemas que parecem pequenos aos olhos dos dirigentes, os chamados problemas invisíveis das periferias urbanas e rurais são os que devem ser atacados prioritariamente. Um deles é o saneamento básico. Tem de se criar a cultura do saneamento, injectar-lhe fundos e educar, a todos os níveis (escola, igrejas, repartições públicas, mercados), para esse fim. A segunda grande lição é a de que nós, africanos, temos de refrear o culto dos mortos. Pois cada óbito africano, com os seus rituais desde lavar o morto até beijá-lo e reunirmo-nos na vigília, redunda na multiplicação de doenças como o Ébola e o Marburgo (como devemos estar bem lembrados).
Quanto à boa imagem dos governos africanos, expressa através de indicadores macroeconómicos, como o PIB, a paridade do dólar norte-americano, a inflação, etc, ela também não é realista.
Por isso, assistimos agora na TV imagens de expatriados sob a capa das ONGs a financiarem a construção de latrinas na Libéria.
Que vergonha para os africanos!
Sam Mwale, perito em assuntos políticos, afirmou que “as filosofias económicas e políticas que (nos) servem de base são pensadas e financiadas pelo Ocidente, mas inacessíveis ou irrelevantes para a África autêntica (…) e torna-se deveras difícil neste contexto justificar o emprego da palavra
renascimento.”
E, diríamos nós, a África autêntica chegou a um ponto crítico em que tem, também, de repensar aspectos da sua herança cultural que não mais se
coadunam com a explosão demográfica das grande cidades que temos hoje. Uma delas é o culto dos mortos.
Trata-se de uma mudança de paradigma sócio-cultural – ancorada em dois pólos: o desenvolvimento endocêntrico e a fractura da tradição extemporânea – que pode conduzir ao verdadeiro renascimento.

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos