Ngola Kilwanji contra a dominação Portuguesa

Envie este artigo por email

O Rei NgolaKilwanji dotado de um espírito indomável e de um carácter muito consistente, Kilwanji era génio militar nato. Venceu o seu maior inimigo, Paulo Dias de Novais num ataque de um comando seu a 6 de Maio de 1589, este facto levou-o à formação da Primeira Coligação dos Estados do Kwanza.

Ngola Kilwanji contra a dominação Portuguesa

O Rei NgolaKilwanji dotado de um espírito indomável e de um carácter muito consistente, Kilwanji era génio militar nato. Venceu o seu maior inimigo, Paulo Dias de Novais num ataque de um comando seu a 6 de Maio de 1589, este facto levou-o à formação da Primeira Coligação dos Estados do Kwanza.
Os primeiros portugueses a chegar oficialmente ao Reino do Ndongo foram Baltazar de Castro e Manuel Pacheco, em 1520. Queriam comprar escravos e saber onde se encontravam as minas de prata de Kambambe, no Reino. Mas NgolaKilwanji não gostou nada das pretensões dos portugueses no seu reino, nem da maneira como eles abordaram o problema ao Rei. Por isso Manuel Pacheco foi logo morto e Baltazar de Castro reduzido a escratura durante seis anos (1520-1526), só foi libertado graças ao pedido de D. Afonso I Rei do Kongo que tinha boas relações com o Rei do Ndongo. Chegado à Lisboa, Baltazar de Castro informou o seu Rei de que as famosas minas de prata se encontravam em Kambambe. Por isso, no reinado de D. Sebastião, os portugueses escolheram Paulo Dias de Novais para continuar com as pesquisas das minas de prata, tendo chegado pela primeira vez ao Ndongo, em 1560.

1. O INICIO DA AGRESSÃO ARMADA E A RESISTÊNCIA DE NGOLA KILWANJI
As autoridades portugueses comandadas por Paulo Dias de Novais ao estabelecerem a ordem social, militar e eclesiástica em Luanda entre os dispersos e anárquicos núcleos de colonos que se encontravam no Ndongo, para estender mais a sua base de operações militares e criar a futura sociedade civil, nos fins de 1577, Paulo Dias de Novais, a fim de estar ao corrente de tudo o que passava na corte do Ndongo, nomeou Pedro da Fonseca como seu delegado residente permanente em Pungu-a-Ndongo, junto de NgolaKilwanji.
Muitos mercados portugueses espalharam-se logo estrategicamente pelas terras do Reino do Ndongo a negociar livremente e até a praticarem o tráfico de escravos secretamente, levando os escravos para São Tome, Brasil, Cabo Verde, e até Portugal (Cavazzi, I,II, 1965). Quando NgolaKilwanji tomou conhecimento do que se passava, não acreditou.

1.1. OS PRIMEIROS COMBATES
O Rei do Kongo, D. Álvaro, que tinha recebido também muitos portugueses companheiros da expedição de Novais, soube das verdadeiras intenções escondidas que este trazia. Por isso D. Álvaro enviou emissários secretos , entre os quais o próprio português que lhe revelou o segredo, para este convencer NgolaKilwanji de que os verdadeiros intuitos de Novais não eram de amizade, mas sim os de conquistar-lhe as terras e reduzir o rei e a sua gente a escravatura(A.Brasio IV, 572, 132). Em face disso, em 1579, a conselho dos maiorais do reino e chefes de guerra, NgolaKilwanji mandou chacinar todos os portugueses residentes em Angola, incluindo o próprio Pedro da Fonseca, que representava Novais em Pungu-a-Ndongo.
Quando Paulo Dias de Novais que esteva em Kalumbo recebeu a notícia do massacre, avançou imediatamente para o interior do Ndongo até Nzele, onde tinha construido já um forte militar. As populações de Kissama ciosas de sua independência e liberdade tentaram travar o avanço de Novais, mas não o conseguiram porque lutavam dispersos, desorganizados e as suas eram mais fracas (Hist. De Angola, 1965, 61). NgolaKilwanji, porém, vendo que o exercito português era mais do que o seu, resolveu chegar a um acordo com os chefes de Kissama até que formaram um exercito nacionalista angolano de resistência contra os invasores portugueses, de que Kilwanji tomou o comando. Os primeiros recontros com os homens de Novais foram muitos favoráveis aos angolanos. Um dos generais do Ndongo chegou mesmo a capturar num dos combates, 80 soldados portugueses (Hist. De Angola 1965, 62). Pelo facto de um dos seus generais ter capturado os oitenta soldados portugueses, o rei NgolaKilwanji concluiu então que os portugueses eram homens fracos, até porque muitos morriam antes mesmo de entrarem em combate por causa do clima ou talvez do paludismo. Daí a decisão de Kilwanji ter mandado atacar sem preparação, o forte de Nzele onde se encontrava o próprio Paulo Dias de Novais bem entrincheiradocom os seus homens.
O recontro deu-se em 1578 e os portugueses tiveram a sua primeira vitóriasobre angolanos devido a sua melhor preparação para o combate e às peças de artilharia e espingardas que usaram com uma ferocidade jamais vista até então pelos angolanos. Durante o combate, o sargento mor de Novais pós imediatamente em prática o plano bem concebido da política de “terra queimada”para aterrorizar e desarmar aldeias inteiras, de angolanos. Manuel João mandou queimar aldeias inteiras, matando homens, mulheres e crianças, semeando o terror a todo o lado entre as populações. Mas Kilwanji não desarmava e continuou com a resistência. Mobilizava as populações e resistia como podia às acções do inimigo. É neste ambiente de quase desespero que se dá a desastrosa refrega Massangano.

1.2- A BATALHA DE MASSANGANO
Vendo que não obstante todos auxílios que recebia de Filipe I de Espanha, e dos chefes traidores pretos que se lhe juntavam com medo, Kilwanji sempre atacava com determinação, Paulo Dias de Novais decidiu ele mesmo tomar o comando das forças portugueses contra o indomável Rei de Angola. Novais levava consigo além das já famosas peças de artilharia e espingardas de fogo, manejadas por 100 arcabuzeiros brancos e milhares de auxiliares negros ( Galvão, p.43, 1952). A refrega deu-se em Massangano nas margens do Kwanza. E NgolaKilwanji sofreu a sua maior derrota de sempre, tendo perdido milhares de nacionalistas nessa fatídica batalha de massangano em 1580. Ali, para comemorar a sua primeira grande vitória sobre os angolanos, Paulo Dias de Novais fez construir a famosa fortaleza de Massangano em 1583. Essa fortaleza construída na margem do rio Kwanza tornou-se com o tempo na mais odiada base de agressão e ocupação portuguesa no reino do Ndongo, pois que onde partiam as subsequentes operações militares contra a resistência dos angolanos, protagonizada por NgolaKilwanji.

2.1- CONSEQUÊNCIAS DA BATALHA DE MASSANGANO
Embriagado pela repentina vitória de Massangano Novais tratou logo tirar dela o maior proveito possível. Aproveitando a moral baixo dos angolanos, resultante da derrota recente que tinham sofrido, Paulo Dias de Novais organizou outra coluna militar em 1584, a frente da qual saiu de Massangano em campanha contra o soba da Kissama que se tinha revoltado contra os portugueses. E depois desta operação fulminante Novais avassalou quase metade do reino do Ndongo, tendo chegado até a confluência do rio Lucala com o Kwanza , quando finalmente foi travado por NgolaKilwanjique já se tinha reorganizado outra vez.
Entretanto, nas terras ocupadas pelos portugueses, Novais Caçava todos escravos que queria, até os angolanos que lhe tinha ajudado a combater Kilwanji na batalha de Massangano eram também incluídos. Não foram poupados. Tratados como mercadorias e animais de carga, os nacionalistas começaram a fugir para o lado de Kilwanji formou com os nacionalistas que se lhe juntavam um formidável exército já experimentado, com o qual enfrentou de novo o inimigo português, mostrando a Novais que os angolanos que ele pretendia vender e oprimir não eram mercadoria como ele os tratava, mas sim, homens autênticos que podiam combater e defender a sua dignidade a sua pátria.

3.A CONTRA –OFENSIVA DE NGOLA KILWANJI
Depois de organizado e convenientemente equipado o seu exército, NgolaKilwanji tomou a contra-ofensiva contra os portugueses. Assim é que, em 1585, reforçado pelo Soba da Humba, Kilwanji voltou a guerra marchando contra a fortaleza de Massangano onde se encontrava Novais, para destruir o presídio dos portugueses, depois de o ter já infiltrado, como covinha a Kilwanji. Mas Novais resiste. A ferocidade dos combates atinge o seu máximo de intensidade e Kilwanji não desiste .
Na encarniçada luta que travava, o primeiro defensor dos angolanos, NgolaKilwanji, não tinha um minuto de descanso. Ao mesmo tempo que resistia no campo de batalha, Kilwanji envia emissários aos reis do Congo, dos Dembos e da Matamba, para o ajudarem na ingente tarefa da resistência à agressão (Cadornega III, 1942, 592).
Paulo Dias de Novais, porém, não podendo chegar a capital do Reino Pungo-a-Ndongo, devido a oposição firme de Kilwanji, virou-se para o Sul donosso país. Mandou um sobrinho seu com mais uns 50 homens construir um presídio no rio longa, no morro de Benguela Velha, para servir de base das futuras operações militares em direcção ao interior-centro de Angola. O povo do Kwanza Sul estava aterrorizado com as notícias das acções militares que se desenrolavam no norte, tendo sido por isso fácil a submissão das populações das populações dessa região. Mas NgolaKilwanji não tirava os olhos sobre os angolanos, não tomaram mais medidas nenhumas de segurança em terra alheia e acharam que podiam já gozar os seus dividendos. Uns pescavam, e outros tomavam banho à vontade, como se estivessem nas praias de Lisboa. Foi assim que um comando secreto do Rei NgolaKilwanji os surpreendeu na praia, tendo-os liquidado todos lá mesmo na água onde se encontravam e arrastado por terra.
Paulo Dias de Novais recebeu a notícia do ataque dos angolanos com muita surpresa. Pois que já não contavam com tanta ousadia, determinação e combatividade da parte de NgolaKilwanji e sua gente, que Paulo Dias de Novais já supunha derrotados, desiludidos e mortos para sempre.
Para de vingar do massacre de Benguela Velha, 1588 o governador Paulo Dias de Novais começou imediatamente a preparar um grande exército para um contra-ataque de grande envergadura e esmagar o vitorioso e arrogante chefe da resistência angolana no seu próprio Comando em Pungu–a-Ndongo”, a principal residência do Rei e a submissão de outros reis tradicionais ou indígenas. NgolaKilwanji tudo lhe chegava ao seu conhecimento por intermediários e espiões que estavam penetrados, e seguindo de perto todos movimentos do Paulo Dias de Novais, seguindo de perto todos movimentos de Paulo Dias de Novais.
NgolaKuilwanji preparou mais um outro grupo que à 6 de Maio de 1589, antes que Paulo Dias Novais executasse a sua acção, foi atacado e morto numa emboscada mesmo perto da sua fortaleza de Massangano.

CONCLUSÃO
NgolaKilwanji foi um grande herói e o primeiro chefe da resistência angolana. Combateu e venceu sucessivamente, Paulo Dias de Novais, Luís Serrão, A.Ferreira Pereira, D. Francisco de Almeida, D. Jerónimo de Almeida e João Furtado de Mendonça. O seu génio político levou-o a mobilização e formação da Primeira Coligação dos Estados do Kwanza de que foi mentor e chefe máximo. Por várias vicissitudes historicas, porém, desfez-se a coligação tendo mesmo assim ele sozinho continuado a resistência até que, já cansado e avançado em idade, foi feito prisioneiro num destes combates pelo capitão português Manuel Cerveira Pereira, em 1605, tendo sido levado para Luanda, onde foi decapitado na fortaliza de São Miguel em 1617. Nenguém sabe até aqui onde foi sepultado este primeiro timoneiro do povo angolano. Esta é muitas das vezes a sorte dos grandes condutores de homens da história. NgolaKilwanji teve a morte de um mártir da pátria angolana. E percorreu uma trajectoria de galhardia, de honra e de glória, para toda África. Kilwanji bateu-se com a dignidade própria de um herói autêntico que combateu por uma causa justa e grande a causa da liberdade e dignidade nacional. E como todos os mártires ilustres, NgolaKilwanji vive e continuará a viver e a iluminar os espíritos dos nacionalistas angolanos, pelos seus gloriosos e maravilhosos feitos, cujo trajectória imorredoira nos corações dos verdadeiros angolanos através dos tempos e da eternidade.

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos