Troféu Raça Negra - Agostinho Neto relembrado e homenageado no Brasil

Envie este artigo por email

Uma comitiva da Fundação Dr. António Agostinho Neto, liderada pela presidente do Conselho de Administração, Irene Alexandra Neto, desenvolveu na segunda quinzena de Novembro uma intensa actividade no Brasil, no âmbito da Semana da Consciência Negra e do 10º aniversário da criação da Faculdade Zumbi dos Palmares.

Irene Neto

Um dos actos mais importantes da título póstumo, do troféu Raça Negra, concedido anualmente a personalidades e autoridades negras e não negras, nacionais e internacionais, por exaltarem, enaltecerem e divulgarem o valor das iniciativas, acções, gestos, posturas, atitudes, trajectórias e realizações que tenham contribuído para o aprofundamento e ampliação da valorização da raça negra e da luta pela justiça e igualdade.

A Deputada Irene Neto, filha do primeiro Presidente da República de Angola, recebeu o troféu em nome da família e do povo angolano. O considerado Óscar da comunidade afro-brasileira foi também atribuído a destacadas personalidades brasileiras e estrangeiras,
com destaque para a actriz Zezé Barbosa, o escritor Paulo Lins, o Presidente da Guiné, Alpha Condé, o líder cívico norte-americano Jesse Jackson e a escritora moçambicana Paulina Chiziane.

No dia 17 de Novembro, a Faculdade Zumbi dos Palmares, cujo patrono é o grande líder do quilombo dos Palmares, respeitado herói da resistência antiescravagista, inaugurou com pompa, circunstância e grande visibilidade mediática, os espaços académicos AGOSTINHO NETO, ALPHA CONDÉ, JESSE JACKSON e LULA DA SILVA.

Numa mescla de descendências africanas, índias e europeias, a África e a América reencontraram-se numa das salas de estudo da única universidade negra do Brasil. A evocação a grandes líderes africanos ou afrodescendentes, como património cultural das comunidades negras e afrodescendentes, traz pontos de referência necessários a formação da identidade e da auto-estima num meio onde o preconceito racial, ainda que encoberto, continua manifestamente vivo.

De forma a contribuir para a bibliografia e investigação sobre a história de África e de Angola, a Fundação Dr. António Agostinho Neto fez uma doação de 30 exemplares da obra “Agostinho Neto e a libertação de Angola, 1949-1974, arquivos da PIDE-DGS”, e outro material para a biblioteca da Faculdade Zumbi dos Palmares, de forma a promover o conhecimento e a investigação científica sobre Agostinho Neto, Angola e a África.

Ao apresentar a obra, o Professor Simão Souindoula, perito da UNESCO, disse: “na verdade, Agostinho Neto é um líder que merece o seu lugar, aqui, junto do seu antecessor, o Angola Zumbi. As duas personalidades apresentam linhas de similitudes, inesperadas: enquadramento religioso, fuga para integrar a luta, subida a liderança, consideração da imortalidade e emanação mitológica, Espírito, zumbi, em kimbundu. Na realidade, o Sekulo (Agostinho Neto) foi um Kiluanje dirigindo um tríptico Quilombo, constituído do impenetrável mato equatorial de Cabinda, as isoladas florestas dos Dembos e as infinitas savanas do Alto Zambeze”.

A FAAN participou, igualmente, na Flink Sampa, Festa do Conhecimento, Literatura e Cultura Negra, organizada pela Afrobras e a Faculdade Zumbi dos Palmares, no Memorial da América Latina, em São Paulo.

O Flink Sampa surgiu para contrapor a actual estética das feiras culturais e literárias no Brasil, onde o negro ficava excluído desse circuito enquanto criador e consumidor, e para apresentar de forma inclusiva os distintos segmentos da população.

Durante o evento, Irene Neto participou no painel da Literatura Negra com o tema “Diálogos Africanos – a experiência angolana”, na biblioteca do espaço de exposições Victor Civita, integrado no Memorial da América Latina. Moderou o debate o escritor
e Curador Uelinton Faria Alves.

A deputada à Assembleia Nacional realçou a importância de “poder apresentar uma conferência sobre António Agostinho Neto aos irmãos do Brasil que vivem um momento de grande efervescência nas suas conquistas sociais de reconhecimento, afirmação e legitimação, enquanto parte significativa de um povo plural e de maior aproximação nas relações culturais, económicas e políticas com África”.

Nas várias actividades a Deputada Irene Neto interagiu com o Presidente da Guiné, Alpha Condé, o ex-Presidente do Brasil, Luis Inácio Lula da Silva, o ex-Senador norte-americano Jesse Jackson, o Reitor da Faculdade Zumbi dos Palmares, José Vicente, além de outras personalidades de destaque da sociedade brasileira.

A delegação angolana integrava igualmente o Prof. Simão Souindoula, perito da UNESCO e responsável pelo projecto “A rota dos escravos”, e Amarildo da Conceição, administrador da FAAN. O Embaixador de Angola no Brasil, Nelson Cosme, e o Cônsul de Angola em São Paulo, Belo Mangueira, acompanharam a delegação a par e passo.

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos