A inútil idade dos livros

Envie este artigo por email

Angola vive um período muito particular da sua História, em que os factores (materiais e políticos) que moldaram a sociedade actual, desde o 11 de Novembro de 1975.

Angola vive um período muito particular da sua História, em que os factores (materiais e políticos) que moldaram a sociedade actual, desde o 11 de Novembro de 1975, revelam as suas consequências no plano da intelectualidade, ou seja, do pensamento crítico e das manifestações linguísticas derivadas do (mau) uso da Língua Portuguesa. A sociedade angolana insere-se no contexto universal de uma Humanidade em processo de mudança do seu paradigma de civilização, do seu conceito de valoração do conhecimento. Assiste-se a uma crise de valores humanos, que está a redundar numa aversão ao conhecimento escrito, através do fenómeno mundial da des-leitura. Quase ninguém lê, hoje em dia. Porque é que ler não atrai a juventude? Não é apenas devido à intrusão do Android, não senhor! Não é apenas devido ao fascínio do ecrã, não senhor!
Afinal, o que se está a passar entre nós, humanos? Quem vai beneficiar de tantas palavras e números guardados nos livros, se não os queremos mais abrir? Ou será que a sociedade de consumo consumiu também o tempo necessário para abrirmos um livro e lê-lo com paixão até ao fim?
Aonde nos levará esta nova realidade, na qual, em todo o mundo, as editoras de livros estão a entrar numa tremenda depressão financeira?
De que forma, devemos educar as novas gerações que já não sentem atracção nenhuma pela leitura, nem mesmo pelo livro acessível na Internet a custo zero?
Não se vislumbra, em Angola, para os próximos 50 anos, outra fonte de saber mais acessível do que o livro. Daí que para garantir o futuro promissor do país é urgente a edificação de um sistema de acesso ao livro, com infra-estruturas e serviços já existentes e outras a criar, através do qual fôssemos capazes de:
1. Investir poderosamente na reciclagem e formação dos professores para a pedagogia da leitura, incutindo-lhes também o hábito de lerem. Como já existe legislação sobre esta matéria, então o que falta é pô-la em prática.
2. O Estado deve subvencionar o preço do livro, desonerando as taxas aduaneiras de importação do livro, seja ele qual for o objecto que o enforma, porque Angola não fabrica livros e está com um atraso intelectual muito grande que não pactua com os ditames do comércio. O homem é prioridade absoluta para o desenvolvimento.
3. Investir nas bibliotecas populares de bairro, incluindo bibliotecas móveis e em projectos de círculos de leitores juvenis em cada rua, em que cada um contribui com 200 kwanzas, para a compra de um, dois ou três livros que seriam lidos por um círculo de 10 a 20 leitores.
4. Incentivar a venda de livros também nas lojas de conveniência (Mamadous).
5. Investir no acesso ao livro através de um sítio electrónico nacional.
6. Permitir a leitura doméstica de obras do acervo da Biblioteca Nacional, através do registo e controlo do leitor, que terá um cartão.
Doutra forma, os angolanos serão devorados pela maré competitiva da Globalização, que não se compadece com o marasmo da falta de aplicação prática de politicas públicas que dêem o valor devido ao LIVRO e à LEITURA , como paradigma essencial da formação das novas gerações e da população em geral. Sob pena de a nossa forma de estar no mundo passar a ser ditada pela desvalorização de um artefacto muito útil que é o livro, e aí estaremos a viver uma inútil idade dos livros.

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos