Crónica de Manuel Rui C@PLP.P

Envie este artigo por email

C@PLP.P (croniqueta)

Crónica de Manuel Rui C@PLP.P
Crónica de Manuel Rui C@PLP.P

O cara ia preparado para cantar, imaginara Dilma com um tamborim e ele cantando “como se fosse por mim”, ou que dos Santos levasse um tambor de um “entra faz favor”, ou que Cavaco de viola e Passos de guitarra como se “da comunidade nem uma lágrima de saudade” mas o certo é que o muadiê é baita esperto, entrou protegido pelo “Ai Timor”, Xanana nem parecia do clube que é mas a vida fica assim mesmo, vamos fazer mais como então? O que espanta é que se numa droga que não valia nada mas tinha o nome de COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LINGUA PORTUGUESA, entra pela porta da frente um país que não é da língua e continuam a manter a sigla, nem ao menos acrescentam um SARL, caramba, fala-se português em Macau, Goa, na Namíbia é bué, na África do Sul bué-lé-lé…
Então há qualquer coisa que não foi explicada, também não transmitiram as palavras em português deste reforço para o team que só da Alemanha soma quatro mais sete, aí é que está o arbeit, o bumbar, a Ângela lá na Bruxelas fala sempre em alemão, a língua dela, sem grande expressão mundial, enquanto os tugas falam em inglês, os próprios que apregoam a força da língua portuguesa, ao menos, o bacano parceiro da equatorial falou em português, dez anos a lutar e a aprender, comendo um cozido à portuguesa ali, uma sardinhada acolá, o certo é que ganhou. Porque lhe deixaram. E porque é que deixaram? Ouve algum referendo em cada país? E porque é que não dizem, não falam a verdade? Porque se a África do Sul tem mais que falam português, o Luxemburgo, a França e etc., porquê a Guiné Equatorial? E agora? Sociedade Anónima de Responsabilidade Limitada? E por maioria de razão se é da comunidade dos que falam português, é africano, então é ou não é PALOP? E de ortografia não quer a nova e tem razão pois se ele ainda não viu bem a outra antiga e vai por aí uma confusão nesta comunidade descomunal que se modifica nas cimeiras sem modificar nada nas baixeiras onde a malta come e cala-se. E viva o Obiang que só lá foi quem quis e não tinha mais nada que fazer. Pois!

30/7/2014

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos