"Olhem para África" um Rei preto será coroado

Envie este artigo por email

Enquanto a maioria da população cristã (católica) celebrava no dia 2 de Novembro o dia dos finados ou dos mortos, tradição que vem desde o século II da era comum, Eu e Eu (I and I) celebrávamos um evento ímpar na história de África, dedicamos um "nyabhingi" cerimonia ritualística e espiritual acompanhado de toque de batuques (tambores) ao Rei dos reis e Senhor dos senhores pela coroação do imperador etíope Ras Tafari que veio a ser conhecido Haile Selassie I.

Quem foi este homem que é tão reverenciado? Que grandes feitos marcaram sua vida? É dele que falaremos resumidamente nesse espaço que se torna limitado pois muito se tem a dizer a respeito do Rei Selassie.

Acho pertinente dar a conhecer alguns feitos do Rei por reinar em África e, numa altura em que as potências europeias lançaram a corrida pela partilha de África, impuseram o jugo colonial a quase totalidade do continente preto e a Etiópia sob muita pressão manteve-se livre do jugo vil.

Haile Selassie I nasceu em Ejarsa Goro, pequena cidade localizada a leste da Etiópia perto da antiga cidade de Harar em 1892. Nessa altura a Etiópia era conhecida como império da Abissínia.

Seu nome de nascimento era Tafari Makonnen, foi o décimo filho de Ras Makonnen governador da província de Harar e principal conselheiro do Imperador Menelik II e Yishimabet Ali, único dos seus onze filhos que viveu até a idade adulta, casado com Wayzaro Menen bisneta de Menelik II.

Foi Comandante da milícia local em 1905, governador de duas províncias em 1906-10. Marcus Mosiah Garvey, qual profeta preto, vislumbrava já o grande momento em África ao ver e ler sobre o grande prestigio politico e poder de Ras Tafari tornando-se Negus (Rei) em 1928. Garvey terá dito, "Olhem para África, quando um Rei preto ser coroado, o dia de livramento estará próximo".

Foi em 1930 a 2 de Novembro que Ras Tafari foi coroado como imperador. Sobre o dia tão ímpar Marcus Garvey terá escrito em seu jornal:
"No último Domingo, uma grande cerimônia teve lugar em Addis Abeba, capital da Etiópia. foi a coroação do novo Imperador da Etiópia ­ Ras Tafari. Segundo relatórios e expectativas, a cena teve um grande esplendor, e será sempre lembrada por aqueles que estavam presentes.

Várias das principais nações da Europa enviaram representantes para a coroação, para assim, pagar seus respeitos a uma nação negra ascendente que está destinada a desempenhar um grande papel na história futura do mundo. Abissínia é a terra dos negros e estamos contentes em saber que os europeus, embora tenham tentado impressionar os Abissinianos que não são pertencentes à raça negra, eles aprenderam a réplica que eles são, e eles estão orgulhosos de serem... Esperamos que Ras Tafari viva por muito tempo para realizar suas intenções maravilhosas.

Do que ouvimos e o que sabemos, ele está pronto e disposto a estender a mão para qualquer negro que deseje prosperar em seu reino.... O salmista profetizou que o Príncipe sairia do Egito e da Etiópia e estenderia as mãos para Deus. Não temos dúvida de que a hora é agora. A Etiópia agora realmente estende suas mãos.

Este grande reino do Oriente tem sido escondido durante muitos séculos, mas aos poucos ela está crescendo e buscando ocupar um lugar de liderança no mundo, e é para nós da raça negra para ajudar em todos os sentidos para segurar a mão do Imperador Ras Tafari".

É dizer que Haile Selassie I, imperador da Etiópia, é um símbolo sagrado, algo transcendente para os seus seguidores pois é visto como o Messias preto que está liderando (espiritualmente falando pois Haile Selassie transita em Agosto de 1975) os povos de origem africana a uma terra prometida de emancipação e justiça divina, ele é considerado a representação terrena de Jah.

De acordo com a tradição Etíope, todos os imperadores Salomônicos, recebiam da Igreja Ortodoxa Etíope o título de Rei dos reis, senhor dos senhores o Leão conquistador da Tribo de Judá. Mas Selassie recebeu os títulos tradicionais dos reis Salomônicos e ainda o título de "Defensor da Fé" e o "Poder da Santíssima Trindade", pois Selassie era descendente do rei Salomão, que segundo a epopéia popular etíope (ler a Bíblia africana, o Kebra Negast a Glória dos Reis) era o ducentésimo vigésimo quinto na linha de imperadores etíopes descendentes do bíblico Rei Salomão que terá se relacionado amorosamente com a Rainha de Sabá (leia-se sobre o encontro de Salomão com a Rainha na bíblia no livro dos Reis). Para a Ordem Rastafari, Selassie I é Cristo vendo ele como digno de reverência, por conta da dignidade perante a imprensa internacional e de muitas das nações mais poderosas do mundo, quando ele era o único chefe de estado preto em todo o planeta e não só.

Mais dados biográficos e feitos do Rei

Selassie, provou ser um aluno exemplar - inteligente, trabalhador, com uma excelente memória e atenção aos mínimos detalhes, seu pai o proclamou Dejazmatch (comandante) de uma milícia local em 1905 com apenas 13 anos de idade, e formou uma família por ele com os seus servos e soldados. Makonnen (pai) morreu no ano seguinte, confiando Tafari aos cuidados de Menelik II. O imperador mandou chamar Tafari Makonnen ao tribunal e nomeou-o governador de uma pequena província.

Ras Tafari era um administrador progressista cuja política aumentou o poder do governo central em detrimento da nobreza feudal. Ele desenvolveu um serviço civil remunerado, baixou os impostos, e criou um sistema judicial que estendeu os direitos legais para os camponeses. Em 1911, casou-se com Wayzaro Menen, a bisneta de Menelik II.

Durante o curso do seu casamento, tiveram seis filhos, e permaneceram juntos até sua morte em 1961. Menelik morreu em 1913 e seu neto, Lij Yasu, tornou-se imperador. Mas Yasu foi visto como um prómuçulmano, perdendo apoio da maioria cristã na Etiópia. Tafari tornou-se símbolo da reunião para os nobres da oposição e para os altos oficiais da igreja. Zauditu, filha de Menelik, tornou-se imperatriz, a primeira mulher a governar a nação da Etiópia desde a Rainha de Sabá, enquanto Tafari foi nomeado príncipe (Ras na língua Amárica), Ras Tafari Makonnen estava interessado em modernizar a Etiópia, Zauditu era conservadora e estava mais preocupada com a religião do que com a política.

Os dois mantiveram uma aliança de várias facções de nobres disputando o poder. Em 1919 Ras Tafari se sentia seguro o suficiente para começar seu programa de modernização através da criação de uma "burocracia centralizada". Dois anos depois, fundou o primeiro tribunal regular de direito no país e a imprensa da Etiópia, que começou a operar em 1922, logo seguido por um jornal regularmente publicado.

Levou automóveis, geradores elétricos e um serviço telefônico. Em 1924 visitou a França, Itália, Suécia, Grécia e Inglaterra, recebendo o reconhecimento favorável por parte da imprensa internacional voltando sua atenção para os assuntos externos da admissão da Etiópia na Liga das Nações.

A viagem coincidiu com o interesse crescente entre os negros norte-americanos em redescobrir sua herança cultural. Vendo um nobre e digno líder africano, de uma nação independente, que trata de igual para igual com os governantes europeus, era tudo que o negro americano precisava para encontrar inspiração, os jamaicanos, em particular, o identificavam como futuro rei dos pretos em todo o mundo.

O novo imperador criou a primeira constituição da Etiópia em 1931 proclamando todos os etíopes iguais e unidos sob uma lei e um imperador, que também criou um parlamento com duas câmaras, embora o imperador detinha o direito de derrubar qualquer decisão parlamentar.

Os italianos invadiram o império etíope em 1936 e o imperador exila-se estrategicamente retornando posteriormente em 1941 vitorioso para seu povo. Haile Selassie I ajudou a estabelecer a Organização da Unidade Africana (OUA) em 1963 foi então o pai da "unidade africana".

Espaço nos faltaria para abordar sobre Sua Majestade como dito no inicio desse texto, pelo que fecho com extratos de um famoso discurso do Imperador que Bob Marley (profeta rasta) resgatou sabiamente:
"Enquanto a filosofia que declara uma raça superior e outra inferior não for finalmente e permanentemente desacreditada e abandonada; enquanto não deixarem de existir cidadãos de primeira e segunda categoria de qualquer nação; enquanto a cor da pele de uma pessoa não for mais importante que a cor dos seus olhos; enquanto não forem garantidos a todos por igual os direitos humanos básicos, sem olhar a raças, até esse dia, os sonhos de paz duradoura, cidadania mundial e governo de uma moral internacional irão continuar a ser uma ilusão fugaz, a ser perseguida mas nunca alcançada.

E igualmente, enquanto os regimes infelizes e ignóbeis que suprimem os nossos irmãos, em condições subumanas, em Angola, Moçambique e na África do Sul não forem superados e destruídos, enquanto o fanatismo, os preconceitos, a malícia e os interesses desumanos não forem substituídos pela compreensão, tolerância e boa-vontade, enquanto todos os Africanos não se levantarem e falarem como seres livres, iguais aos olhos de todos os homens como são no Céu, até esse dia, o continente Africano não conhecerá a Paz. Nós, Africanos, iremos lutar, se necessário, e sabemos que iremos vencer, pois somos confiantes na vitória do bem sobre o mal".

Que Sua Majestade Imperial reine sempre e suas palavras sirvam-nos de encorajamento para continuamente praticarmos a paz e o amor. Jah Bless.


Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos