Quando regressar

Envie este artigo por email

Quando regressar
vou procurar os meus irmãos
iremos passear pelos jardins antigos
repletos de rosas e buganvílias
regadas
com lágrimas caídas dos olhos
e suor caído dos rostos
de todos nós.

Iremos varrer as cinzas
dos nossos irmãos que partiram na nossa frente.

Depois,
pelas encostas das serras,
pelas areias das dambas,
pelas chanas do leste,
- esse enorme mar de capim
onde o sol nos queimava mais
o frio da noite nos castigava mais
e a força ancestral do antigamente
nos guiava nos caminhos -
pelos rios onde ximbicamos
medos e coragensiremos cantar
a nossa alegria de regressar
e
junto às nascentes que nos mataram a sede
jantaremos mufete...
beberemos quissângua do bié.
maruvo do dange

E quando a noite já for alta
as puitas
os recorreco
os quissanges
e os nossos corpos suados
se mostrarem já cansados

Iremos dormir na esteira
embalados pela brisa
que soprará
vinda do deserto do namibe
descansar
do longo caminho andado

Quando regressar...
- porque eu vou regressar mais perto que longe -
Não quero lágrimas não…

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos