Prémio António Jacinto

Envie este artigo por email

A obra Mahamba, do jovem Oliver Quiteculo, vencedora do prémio Literário António Jacinto, edição 2018, foi apresentada a público no dia 15 de Novembro, em cerimónia no Museu de História Natural, em Luanda.

A obra Mahamba, do jovem Oliver Quiteculo, vencedora do prémio Literário António Jacinto, edição 2018, foi apresentada a público no dia 15 de Novembro, em cerimónia no Museu de História Natural, em Luanda.
A obra é constituída por 10 contos, nomeadamente “Cabanda, o Aprendiz”, “Uanga”,” O quarto da avô”, “Bebeca”, “Mulowa”, “Muloji” ,” Menino-Homem”,”Lemba” e “Mahamba”.
A obra em causa, de acordo com a prefaciadora, Cláudia Cassoma, é um despertador imprescindível em época de também crise cultural impetuosa.
“Em contos ora clementes, ora mórbidos, Oliver Quiteculo apresenta vários aspectos da identidade cultural angolana e africana. Essa compilação de narrativas folclóricas, pelo jeito ímpar e engajador com que escreve, leva o leitor a reflectir sobre temas que hoje, igualmente por aculturação, tememos considerá-los”, lê-se no prefácio.
A obra aborda as práticas de feitiçaria, tendo como “pano de fundo” as crianças, como se pode ler em ‘Uanga’, uma semelhança às histórias da nossa sociedade em que crianças são enfeitiçadas por receberem comida de pessoas estranhas. Ou ainda como se lê em ‘Cabanda, o aprendiz’, que ficciona o passar de poderes de um Quimbanda a uma criança.
Oliver Quiteculo entrou para as lides literárias por “imposição” do seu progenitor, Fortunato Henrique Quiteculo, que, na altura, levava os filhos a lerem alguns dos livros que possuía na sua livraria. O júri, presidido por Albino Carlos, afirmou que o trabalho vencedor “recria e promove o imaginário tradicional angolano, recuperando o precioso património imaterial.”
O Prémio Literário António Jacinto, atribuído anualmente, é uma distinção de revelação para trabalhos inéditos que visa incentivar o surgimento de novos autores e novas obras literárias.

O autor
Oliver Quiteculo é natural de Luanda e cresceu mergulhado entre livros e livrarias por imposição paterna.
Cedo, desenvolveu o gosto pelas artes e literatura em especial.
É membro co-fundador da revista Palavra&Arte.

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos