A dor maior de um contratado

Envie este artigo por email

O contratado

A dor maior de um contratado
Escravo

Não é durante o dia,
naquela imensidão de cafeeiros,
quando granjeia a terra
com outros companheiros;
não é quando se alaga de suor,
porque o sol brilha lá em cima
e abrasa a roça inteira de calor;
não é então que sente
a dor maior de estar ali.

Não é, não é…

Em cada dia do contrato,
muito pior
do que o suor
e a pele a arder;
muito pior
é quando a noite chega de repente
— e daqueles que amou,
que estão no quimbo àquela hora
(lembra-se bem de todos, um a um,
a mulher, mais os filhos que deixou),
não ter nenhum
junto de si…

Inácio Rebelo de Andrade

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos