A nova proposta poética de Nok Nogueira: Quando as mãos tecem o tempo da existência

Envie este artigo por email

Nok Nogueira, um dos expoentes da novíssima geração de poetas angolanos, deu a público, (14/10), no Camões – Centro Cultural Português, em Luanda, o livro "As Mãos do Tempo", com chancela da editora Nóssomos.

A nova proposta poética de Nok Nogueira: Quando as mãos tecem o tempo da existência
A nova proposta poética de Nok Nogueira

A obra é um conjunto de cinquenta poemas narrativos distribuídos em cinco secções: Página Primeira: Analogia; Página Segunda: Transversalidade; Página Terceira: Onomatopeia; Pagina Quarta: Simetria; e Página Quinta: Evocação.
De acordo com Jomo Fortunato, que fez a apresentação do poemário, “se ‘a função faz o órgão’, um processo realizável no tempo, entenda-se que a função aqui é sinónimo de trabalho, então ‘As Mãos do Tempo’, enquanto proposta literária, é também uma reflexão sobre a origem da espécie humana, mais como evolução do que como criação”. Sendo assim, “a forma mais cómoda de ler ‘As Mãos do Tempo’ é deixar que as imagens se instaurem no nosso imaginário, no processo de leitura”.
Ainda segundo o apresentador, “Mãos e Tempo surgem de forma reiterada ao longo do poemário, rendilhando uma teia lírica que amadurece e cai como um fruto sobre o charco de desespero: ‘meu desejo é ainda caminhar por entre caminhos nenhuns tal como fazem os loucos’, e dos vencidos: ‘aos retidos em suas mortes nada souberam nem mesmo a noção de ter voz’, e de esperança: ‘mãos corrigindo as mãos / e são de perdão / alguns actos de ingratidão / e são também de terra / embora a sede os desterre / mas continuam a ser de mãos / e voltam a ser sementes / para que frutos / possam ser e mais adiante possam ainda estar em nossas mãos / e assim se faz a terra / e assim se faz nação’.''
Teresa Mateus, que fez as honras da casa, como lhe é habitual, debitou algumas sentenças resultantes da leitura que fez ao livro de Nok Nogueira.
“A sua narrativa desenrola-se numa permanente solidão de inquieto desassossego. Um lamento profundamente sofrido (…), uma torrente de palavras como o caudal compulsivo de um rio que arrasta consigo sonoridades, imagens, cores, sentidos das coisas e sentido da vida, sentimentos antagónicos em permanente tensão e convulsão, paisagens áridas mas férteis em penúria e indignidade humana, dor, angústia, desespero, mágoa e decepção”.

Ocorrências vitais
Nok Nogueira atribui o seu interesse pela literatura a duas ocorrências “fundamentais” na sua vida: o ter frequentado o curso médio de jornalismo no IMEL, ao tempo em que era coordenadora e professora a escritora Gabriela Antunes e o encontro com o poeta Trajanno Nankhova Trajanno.
Se do IMEL sobrou-lhe o gosto pela leitura e o interesse pela coisa cultural em geral, do encontro com Trajanno Nankhova Trajanno persiste a lembrança “arrasadora”: “ele arrasou-me. Fez análises tão críticas e sem apelo nem agravo aos meus poemas que fiquei escandalizado. Desapareci por oito meses e reapareci com outro projecto de literatura. Graças a esse contacto estou aqui”.
Confessando-se espírita, pois acredita na vida após a morte, Nok Nogueira defende que “a nossa presença na Terra deve fazer algum sentido e ser pró-activa”. Lamenta o auto-isolamento dos escritores: “a voz autorizada do escritor deixou de se fazer presente na sociedade angolana”. E vai mais longe: “o silêncio não pode determinar o ser da palavra. Infelizmente eu percebo que nós agora falamos com o silêncio, o silêncio parece animar as acções do nosso país”.
Daí que “há uma angústia muito profunda no sujeito poético, porque ele não consegue dizer o que sente e as palavras calaram-se, o sujeito poético sente-se incapaz de exprimir-se com palavras e fá-lo com o silêncio”.
O autor fez uma sentida e ovacionada homenagem à mãe, D. Emília, que o acompanha “desde os primeiros momentos”.
Nok Nogueira é pseudónimo artístico de Emílio Miguel Casimiro, nascido em Luanda em 1983. Jornalista de profissão, surgiu no cenário público da literatura angolana em 2004, quando foi distinguido com o prémio António Jacinto, do INIC, pela obra poética “Sinais de Sílabas”. Viria depois a publicar “Tempo Africano”, poesia, UEA, 2006, e “Jardim de Estações”, poesia, Nóssomos, 2011.

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos