ACADEMIA ANGOLANA DE LETRAS ELEGE NOVOS MEMBROS

Envie este artigo por email

 Novo Membros na Academia de Letras

Fátima Viegas é um dos novos membros da academia Fotografia: Jornal Cultura

A Academia Angolana de Letras (AAL) abriu, a 8 de Março de 2017, o concurso para preenchimento de vagas existentes para membros efectivos e correspondentes, em conformidade com as alíneas 1 e 3 do Artigo 9º do seu Estatuto.
Após a apresentação das candidaturas foram estas analisada pela Comissão Ad-Hoc criada para o efeito, com base nos critérios definidos no Estatuto da AAL, e nos demais ligados à carreira científica, literária, perfil profissional, idoneidade e prestígio, sendo que as vagas existentes obedecem ao princípio do numerus clausus e são preenchidas por eleição, mediante escrutínio secreto e directo.
Em devido tempo, a Comissão Ad-Hoc procedeu à apreciação de processos dos candidatos, à luz dos requisitos de admissibilidade, tendo seleccionado cinco candidatos, nomeadamente, Albino Carlos; David Capelenguela; Domingos Florentino (Marcolino Moco); Fátima Viegas e Filipe Zau, os quais submeteu à Assembleia-Geral para votação.
No dia 6 de Julho de 2017, teve lugar na sede da União dos Escritores Angolanos (UEA) a Assembleia Geral extraordinária da Academia, destinada à eleição dos candidatos a membros efectivos. Após intensa discussão, a assembleia decidiu que, para um candidato ser admitido como membro efectivo da AAL deve receber 2/3 de votos favoráveis dos membros presentes, ou seja, pelo menos 70% dos votos favoráveis, pelo que, o conclave passou à votação secreta e directa.
Da contagem final dos votos, foram eleitos três novos membros da Academia, a saber:
1. Filipe Zau, com 93% de votos favoráveis;
2. Fátima Viegas, com 71%;
3. Albino Carlos, com 71%.
Estes três novos membros efectivos deverão apresentar as suas orações de sapiência no acto de celebração do primeiro aniversário da AAL, da qual constará também a cerimónia solene de admissão de membros efectivos, a ter lugar no dia 15 de Setembro de 2017, no Memorial Dr. António Agostinho Neto.
O PCA da Academia, Boaventura Cardoso, recordou durante a assembleia-geral, que os candidatos não eleitos agora são perfeitamente elegíveis em futuros processos de candidaturas.Sobre as candidaturas para membros correspondentes, a assembleia-geral deliberou que se crie um “numerus clausus” a integrar nos Estatutos e que rondaria os 25 membros, e que este processo pudesse ser examinado numa fase posterior.

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos