Angola cria primeiro Centro Nacional de Leitura

Envie este artigo por email

A ministra da Comunicação Social, Carolina Cerqueira. inaugurou, no passado dia 8 de Maio, o primeiro Centro Nacional de Leitura, projetado e construído pelas Edições Novembro na cidade de Ndalatando, tendo-o classificado como um precioso benefício da paz.

 

 

Angola cria primeiro Centro Nacional de Leitura

Segundo José Ribeiro, o primeiro Centro Nacional de Leitura nasceu em Ndalatando por razões históricas, já que foi naquela cidade que, na primeira década do século XX, nasceu um movimento nacionalista liderado por intelectuais da estirpe de Assis Júnior, que mais tarde participou nos acontecimentos de Ndalatando e Lucala, aliando a cultura à sede de justiça e ao sonho da Independência Nacional. “A Empresa Edições Novembro, ao projetar e construir este edifício, quis colaborar comos poderes públicos no projeto exaltante de levar a Cultura Nacional a todos os cidadãos”, acrescentou Ribeiro.

O bispo da diocese do Kwanza-Norte, Almeida Kanda, que benzeu o edifício, ladeado pelo vice-governador da província, Manuel Pereira da Silva, e pelo vice-ministro das Tecnologias de Informação, Pedro Teta, considerou que o centro, “em primeiro lugar ajuda os nossos jovens a cultivar a sua vida académica, intelectual”, por isso espera que “possam desfrutar deste meio para o enriquecimento da sua vida” e espera que “esta casa esteja ao serviço da verdade e da justiça, infundindo uma mensagem reconciliadora que possa unir as nossas populações.”

João Cristóvão, aluno da 12ª classe na escola Complexo Comandante Benedito, foi  um dos primeiros jovens de Ndalatando a ensaiar um computador o centro: Para ele, “a vantagem que eu vejo no aproveitamento destas novas tecnologias de informação é ajudar os jovens na sua vida académica, com as nossas pesquisas, investigações, temos aqui muitos jornais, temos aqui uma  sala de informática bem equipada que nos permite contactar o resto do país e o mundo.”

criar no homem
criar na massa
(…)
Criar criar
criar amor com os olhos secos.

Agostinho Neto

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos