Concurso de poesia em Benguela

Envie este artigo por email

"Nos passos silenciosos das ondas"

Com o poema “Trabalhei, Trabalho e Trabalharei!”, Octávio Darwin, estudante da 12ª classe, foi o grande vencedor. Na segunda posição ficou Jerónimo Cassinda, que estuda a 13ª classe, autor de “Amor Inédito”. O terceiro lugar coube a Júlio Teixeira, aluno da 10ª classe, autor do poema “Prudência”. Eduardo Maya, da 13ª classe, ficou em quarto lugar com “Minha Angola”, ao passo que o júri atribuiu ainda menção honrosa a Silvestre Sanumbila, aluno da 12ª classe, pela “Vontade Impossível”.

Lançado em Março, para assinalar o Dia Mundial da Poesia, o concurso teve uma inscrição inicial de 53 textos de alunos com idade compreendida entre os 15 e 22 anos, numa iniciativa da Coordenação de Língua Portuguesa, em cooperação com o programa “Saber
Mais” do Instituto Camões. A entrega de prémios teve lugar no passado dia 7 de Novembro. Para além dos certificados de participação, os vencedores foram agraciados com dicionários, gramáticas e demais material didáctico, e ainda um dos títulos em prosa publicados no presente ano pela União dos Escritores Angolanos.

O director da EFPB, Mário Jacinto, defendeu a abordagem segundo a qual a escola, enquanto agente de preparação para a vida, deve enquadrar-se activamente na vivência da comunidade que a rodeia. “É por isso que estamos sempre atentos à vossa forma de vestir, de pentear, de lidar uns com os outros, porque, como professores que sereis, o perfil vai complementar a relevância do vosso conhecimento”, rematou.

Da parte do programa “Saber Mais”, que desde 2009 dinamiza as actividades extra-curriculares naquela escola do segundo ciclo (antigo INE), o Jornal Cultura ouviu a professora Sónia Moreira, de nacionalidade portuguesa. “Penso que, com o trabalho e dedicação dos alunos e professores, e porque isso também parte da vontade dos professores, temos bons resultados”, disse. “Temos que ver que esses alunos não têm hábitos de escrita criativa, nem de leitura. Isso, tendo em conta que os poemas vencedores não tiveram grandes correcções”, completou.

Júlio Teixeira, o terceiro classificado, conta que “a ideia começou quando a professora, na aula sobre texto literário, disse que os alunos podiam praticar a escrita”. Tal incentivo tornou-o colaborador da revista Fanzine EFPB, veículo rudimentar mensal.

Silvestre Sanumbila, 19 anos, distinguido com menção honrosa, dedica-se à escrita desde 2008. “Estou na especialidade de Matemática e Física porque sempre quis ser professor nesta área, mas também amo a literatura”, revelou.

Fizeram parte do júri membros da Direcção e da Coordenação de Língua Portuguesa da EFPB, bem como o Leitor do Instituto Camões em Benguela, Mário Reis.

EXCERTOS

Quando caminho pelas ruas não a vejo,
Esconde-se de mim porque não me quer ver.
Sorrio! Porque mesmo assim sinto o cheiro do seu beijo,
Que me faz pensar em a ter.
(Amor! Onde estás?)

Jerónimo Cassinda, 13ªA, (Língua Portuguesa)

Estudo, estudo, estudo duro
Para não ser burro ou viver no escuro.
Eu já fui uma criança
Será que os meus irmãos estão seguros?
Estão num lar de imenso carinho e amor puro?
Penso nisto…
Assim eu choro e me consolo
Por saber que eles estão em meu coração
E por isso Deus é a razão.

Octávio Darwin, 12ªF (Inglês )

Minha Angola
Terra de meus pais
Do meu povo trabalhador
De longas estradas
Nos passos silenciosos das ondas.

Eduardo Maya, 13ªH, (EVP)

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos