IILP quer divulgar autores e promover leitores da CPLP

Envie este artigo por email

Vinte anos decorridos desde a apresentação do “Dicionário de Autores de Literaturas Africanas de Língua Portuguesa” de Fernanda Cavacas, o Instituto Internacional de Língua Portuguesa (IILP) organiza um encontro, de 20 a 21 de Junho, na sede da CPLP, com vista à actualização dos dados contidos no dicionário e a criação de uma plataforma digital. De 22 e 23 de Junho decorreu a 1ª Reunião Técnica do “Plano de Leitura CPLP” que será "uma mais-valia incontornável" para os PALOP, uma vez que não têm até este momento um plano nacional de leitura.

 

Quando Fernanda Cavacas e Aldónio Gomes lançaram, pela Editorial Caminho, em Abril de 1997, o Dicionário de Autores de Literaturas Africanas de Língua Portuguesa, explicaram que o seu trabalho “nasceu basicamente de uma tripla situação: o desconhecimento, frequente em Portugal, em certos meios, inclusive escolares, relativamente a poetas e prosadores luso-africano e o desconhecimento, em cada um dos Cinco, das personalidades literárias dos outros países de língua oficial portuguesa; e – insólito, mas talvez nem tanto – o facto de se descobrir, por vezes, em cada país, um menor conhecimento dos autores desse mesmo país e das respectivas obras."
Vinte anos decorridos desde a apresentação desse livro, Fernanda Cavacas teve o grato prazer de participar num encontro organizado de 20 a 21 de Junho pelo Instituto Internacional de Língua Portuguesa (IILP) na sede da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). Nesse período decorreu a I Reunião Técnica sobre “Dicionário de Autores de Literaturas Africanas de Língua Portuguesa”, na qual foi apresentado o projecto, identificadas actividades pertinentes para a actualização dos dados contidos no dicionário e a criação da plataforma digital.
A obra carece de uma actual e permanente actualização. Após a necessária actualização dos dados, o IILP pretende criar as condições para que a referida obra possa ser disponibilizada numa plataforma digital que permita um acesso mais rápido e diferenciado aos dados nela constantes.
Nesta perspectiva, o IILP convidou as Academias de Letras dos países membros da CPLP a participar do projecto que indicaram um elemento que será o ponto-focal neste projecto. O ponto-focal indicado deveria ser alguém ligado à área da Literatura (académico ou não), que garanta: i) contribuir qualitativamente para as discussões iniciais para a concepção do projecto: ii) ter disponibilidade/ capacidade para formar e gerir uma equipa de trabalho nacional, que se responsabilize pela necessária actualização dos dados do Dicionário; iii) poder participar, presencial ou eventualmente, em encontros técnicos de concepção e gestão do projecto.
Foi a partir dessas demarches que se reuniu em Junho, em Lisboa, a Equipa Técnica sobre o projecto do Dicionário de Autores, tendo esta mesma equipa participado, de 22 a 23 numa outra, que visou discutir e fixar as bases estruturantes para o desenho do Plano de Leitura CPLP, uma acção que o IILP pretende iniciar com a maior urgência.
Os encontros foram dirigidos por Marisa Mendonça, directora executiva do IILP e reuniram à mesma mesa os representantes de Angola, José Luís Mendonça, da Academia Angolana de Letras (AAL); do Brasil, José Castilho, do Ministério da Educação; de Cabo Verde, Daniel Medina, da Academia Cabo-verdiana da Letras (ACL) e Fátima Fernandes, pela Biblioteca Nacional de Cabo Verde (BNCV) ; de Moçambique, Nataniel Ngomane, do Fundo Bibliográfico da Língua Portuguesa (FBLP – PALOP); de Portugal, Isabel Alçada e Elsa Conde, gestoras do Plano Nacional de Leitura Ler+; e de São Tomé e Príncipe, João Pontífice, da Comissão Nacional de São Tomé e Príncipe para o IILP (CN-STP). A delegação de Timor Leste foi constituída pelo presidente da CN-TL para o IILP e dois elementos técnicos colaboradores da CN-TL - nomeadamente a Professora Doutora Sabina Foneseca e o Professor Doutor Vicente Paulino.

Plano de Leitura CPLP
A 1ª Reunião Técnica do “Plano de Leitura CPLP” teve lugar nos dias 22 e 23 de Junho, em Lisboa, na sede da CPLP, com os objectivos de fundamentalmente: i) Socializar as experiências de elaboração e de implementação de Planos Nacionais de Leitura, no Brasil e em Portugal; ii) Identificar e definir as linhas estruturantes para o “Plano de Leitura CPLP”; iii) Elaborar um documento de trabalho (pré-projecto) e um cronograma de acções a serem realizadas a curto prazo.
A proposta do "plano de leitura CPLP" (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) deverá ficar concluída no primeiro trimestre de 2017 e o projecto deverá arrancar ainda no próximo ano.
Este plano de leitura será "uma mais-valia incontornável" para os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), "uma vez que não têm até este momento um plano nacional de leitura" e, assim, será "uma alternativa boa e mais alargada", referiu a responsável do IILP, Marisa Mendonça.
Já para Portugal e Brasil, este plano assume-se como "uma alternativa mais alargada e construída de uma forma comum", mas "sem querer comprometer" os respectivos planos nacionais de leitura.
Esta iniciativa do IILP pretende "responder a uma necessidade de um maior conhecimento mútuo sobre aquilo que é a riqueza literária da comunidade" lusófona, disse Marisa Mendonça, constatando que, "mesmo ao nível dos Estados-membros, esse conhecimento ainda tem um nível muito baixo".
O IILP é a instituição da CPLP que tem como objectivos a planificação e execução de programas de promoção, defesa, enriquecimento e difusão da Língua Portuguesa como veículo de cultura, educação, informação e acesso ao conhecimento científico, tecnológico e o de utilização em fora internacionais.

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos