Ler é uma Festa: proposta criação de Associação de Escritores dos PALOP

Envie este artigo por email

Numa homenagem ao escritor Ernesto Lara Filho, a 2ª edição da festa da leitura "Ler é uma Festa", promovida pela Associação Chá de Caxinde, de 9 a 18 de Novembro, no Nacional Cine-Teatro, foi mais um daqueles actos culturais saídos da orquestra de realizações do maestro Jacques Arlindo dos Santos: um largo momento de mão cheia, para o cidadão usufruir até encher a alma.

Pois foi assim que, no calor dos debates do último dia, em torno da mesa redonda sobre "O papel do romancista na evolução da literatura nos PALOP", um dos participantes fez ouvir a sua voz para propor a criação da Associação dos Escritores dos PALOP, que foi amplamente José Luís Mendonça aplaudida pelo público.

As 32 páginas deste jornal seriam sempre poucas para narrar toda a história deste evento. Por isso, em jeito de resenha geral, aqui se diz, entre outras coisas, do intercâmbio cultural que dele resultou e que registou a assinatura de um protocolo entre a UCCLA, a Associação Chá de Caxinde e a associação CACAU de São Tomé. CACAU, segundo o seu fundador, João Carlos Silva, é a Casa das Artes , Criação, Ambiente e Utopias e o nome diz tudo.

O protocolo visa promover projectos de carácter cívico-cultural, pois que, como bem pensa o seu fundador, João Silva, "o associativismo é um pilar importante na construção de uma sociedade civil sólida e consciente."

A festa da leitura renasceu no âmbito da celebração do 37º aniversário da Independência nacional, tendo reunido editoras, livrarias, escritores e outros parceiros que prosseguem um objectivo comum: a divulgação do livro e a promoção da leitura. Diariamente, o cine-teatro Nacional ficou preenchido de actividades com crianças, estudantes dos diferentes níveis de ensino, artistas e intelectuais, bem como lançamento de livros, mesas-redondas, debates e animação cultural, com a pretensão manifesta de consolidar hábitos de leitura.

Escritores e intelectuais de Moçambique, Brasil, Itália, Portugal, S. Tomé e Príncipe fizeram do tempo ali passado um romance de solidariedade internacional.

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos