"Madres, Padres e a Devida Vénia" de Siona Casimiro - Roteiro para jornalistas de assuntos religiosos

Envie este artigo por email

Convergem, não se confundem: madres, padres, presbíteros, bispos... Quantas vezes o comum dos mortais não mistura os referidos termos.

Da convergência, aqui, e diferença acolá, fala este livro, radicado nos serviços dos correspondentes diocesanos da Rádio Ecclesia e não só. Do exercício crítico e a vontade de superar as lacunas, nasceu a diligente produção da ferramenta: um instrumento auxiliar do jornalista-alvo na sua missão. Poderá sempre socorrê-lo em falhas momentâneas de inspiração, memória, decisão ou determinação.

Assim ser pode resumir a mais recente obra o jornalista Siona Casimiro que, estruturalmente, começa por recordar o lugar e o papel do correspondente na orgânica da citada emissora e a sua linha editorial. De seguida, destaca os potenciais pontos de interesse do público e rememora o abecedário da notícia de qualidade. Estampa o Código de Ética e Deontológico vigente. Brevemente, elucida o tema da identidade do profissional, das fontes e encerra com um pequeno vocabulário da linguagem eclesiástica.

O último aspecto alarga, sobremaneira, a utilidade do guião para todo jornalista encarregue de tratar matérias religiosas em qualquer órgão de comunicação social. E mesmo ao largo público, na sua empatia natural para com uma profissão, de que espera tamanha reciprocidade em dignidade e em bem.

Daí o seu título: "Madres, Padres e Devida Vénia - ­ Roteiro para Correspondentes da Rádio Ecclésia e Jornalistas de Assuntos Religiosos". 182 Páginas. Editado pelo Grupo Xanachel, estreante no mercado no dia do lançamento da obra e anúncio do seu Corpo Editorial.

O AUTOR
SIONA Bole Casimiro, de 69 anos de idade, no limiar dos 70 cacimbos como ele próprio diz, é um cidadão angolano nascido em Matadi, lugar onde os pais se refugiaram. Passou partes da sua vida até agora na RDC, Congo Brazaville, França e Angola. Cristão Católico.

Há quase 50 anos que está na carreira de Jornalista, tendo feito a sua formação no Centro de Formação Profissional de Paris. Em termos de órgãos passou pela ACP, ANGOP, Agência France Press e Agência Press.

Este livro surge no contexto do seu trabalho na Rádio Ecclésia como comentarista e membro do Conselho Editorial e sobretudo como Formador e Editor do Jornal O Apostolado.

É membro e dinamizador do Sindicato dos Jornalistas Angolanos e do Misa ­Angola. Esta é a sua segunda obra literária, segundo livro. A primeira obra intitulada Maquis e Arredores, Memória do Jornalismo que acompanham a luta de Libertação Nacional (UEA)

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos