Resumo literário da obra "a ultima ouvinte" de Gociante Patissa

Envie este artigo por email

Resumo literário da obra
Livro

A Última Ouvinte é em livro composto por sete contos [93 páginas, com edição da União dos Escritores Angolanos, Luanda, 2010]. Em nosso entender, os contos têm algumas 'gotas' de crónicas.

"A Última Ouvinte"
É o conto que dá título ao livro, neste conto o narrador pinta a história de dois jovens, um radialista e uma jovem que de longe mostrava uma beleza extraordinária, doce voz com que falava sempre que ligasse para a rádio, no programa do locutor Caçule. E, de acordo com o narrador, "em rádio, o som é cheiro, luz, a cor, a forma" ... "pela grossura ou magreza da voz concebe-se a imagem do locutor ( também, nesse diapasão, digamos a de quem liga\ouvinte)." Caçule apaixonou-se pela Esperança da Graça que, na verdade, era Marta Domingas, uma mulher que carregava uma paralisia que não lhe ajudava a fazer muita coisa que gostaria de fazer, mas passava o seu tempo num quarto, lendo uma pilha de livros. Caçule fez tudo que era possível para localizar a mesma e, por fim, encontro-a. O conto tem um final meio triste, porque a amada Marta ou Esperança morre e o radialista Caçule fica maluco (podemos dizer que eis a razão do título "A Última Ouvinte"). Portanto, este conto nos mostra que nem tudo que parece é.

"Os Dentes Do Soba"
Neste, é possível ver o peso da cultura, Kutala, uma adolescente que vivera sob os cuidados de missionárias, educada com rigor, amiga-se com o jovem Mbocoio e torna-se na segunda pessoa mais influente da sanzala. O soba orientava muitas regras que causavam ciúmes ao Mbocoio, porque aos poucos ele sentia que estava a perder a sua mulher. Mbocoio, cansado com as regras, foi a casa do soba e deu-lhe uma porrada até que um dente se partiu ao meio, os conselheiros do soba, para não fazerem com que o soba perdesse o respeito que a população tinha por ele, decidiram castigar o Mbocoio (como tocador de sino) e manter Kutala no seu referido cargo. O dente do soba foi o motivo secreto do novo ritual e\ou moda da sanzala de Tchiaia, o dito Omeyeko. Portanto, com este conto entendemos o seguinte: " as leis e modas, às vezes, surgem de acontecimentos tristes.

"O Temível"
Um conto onde se pode ver como algumas pessoas usam o mal para terem êxitos, como os bons profissionais amam os seus trabalhos (até esquecem a reforma), é o caso de dona Judith. Deste conto se pode perceber que o mal volta sempre para nós, tudo de mal que fazemos aos outros, cedo ou tarde, acontecerá connosco!
"Os três (não sabemos se é a editora ou o autor que escreve "tres" no lugar de "três") braços do rio"
Este conto mostra um pai preocupado com os seus filhos, ensina os filhos a serem bons como o rio. O filho caçula amiga-se com uma bela moça, mas o pai da mesma não lhe dá o seu devido respeito. Deste jeito, o jovem, descobrindo o ídolo do sogro (Mobutu), vai à caça de um leopardo, mas acaba morto, ele e a sua presa. Sabendo disso, a comunidade fica triste, porque era um bom caçador. Organiza-se um evento em honra ao defunto caçador e a pele do leopardo é entregue ao sogro. O sogro passa então a reconhecer a bravura do seu genro.

"Um Natal Com A Avó"
Este conto espelha a vida das zonas urbanas. Conta o amor dos netos para com as suas avós e o desejo dos netos de querer estar sempre com as avós, mas pinta também a vontade das avós que gostam de estar nas zonas rurais, sentir a calma e estar fora dos engarrafamentos e problemas das cidades.

"A Morte Da Albina"
Neste conto, podemos perceber o modo como os albinos têm sido tratados, estereotipados como bruxos e outros adjetivos não salutares. Uma jovem albina é morta por um jovem que tinha problemas no seu relacionamento.

"O Homem-Da-Viola"
Neste conto, temos a história de um jovem talentoso que viaja e encontra a sua alma gémea, mas a família coloca alguns preceitos para ambos estarem juntos, visto que a jovem era viúva... (trata-se duma narrativa aberta).

Marcas da angolanidade
Depois da nossa melíflua leitura, cabe dizer que "A Última Ouvinte" marca a Literatura angolana pelo modo como seu autor desenrola os contos e as marcas de angolanidade que nela podemos encontrar. Outrossim, ficamos admirado com o modo como o autor, que parece um excelente falador do Umbundu, escreve algumas palavras de línguas bantu com a grafia e fonologia do Português (ex. Caçula, caçule, quimone ... E outras) e o uso da escrita em Português de acordo com o novo Acordo Ortográfico ( que alguns Portugueses chamam de "*Acordêz"). Agora pergunto: Será que o uso do "Acordêz" nesta bela obra foi feito pelo autor, ou foi feito pelo editor e\ou editora?! E onde estava a UEA quando publicou a obra, visto que ainda não assinámos (Angola) o dito Novo Acordo Ortográfico?!
João Fernando André, Kalunga -(professor de linguística)

Luanda, 28 de Dezembro de 2016

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos