Moamba de Domingo

Envie este artigo por email

(Em memória do David Mestre)

Moamba de domingo era ao almoço,
no meio do quintal,
à sombra da mangueira.

A mesa cheia, a família inteira,
calor de brasa, que ninguém sentia,
devido ao apetite que trazia.

Molho no prato com algum jindungo,
o funge ou o pira o postos por cima,
um pedaço de peito de galinha,
mais uns quiabos, tal como convinha,
tudo no ponto em que devia estar.

Era comer enta o e repetir,
comer, comer, comer, até fartar!

Dormir depois a sesta tarde fora,
até chegar a hora
do jantar.

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos