Bob Marley a primeira grande estrela do Terceiro Mundo

Envie este artigo por email

Assim falou Marley: "Os homens pensam que possuem uma mente, mas é a mente que os possui."

Marley começou tocando ska, passou pelo Rock steady, até chegar ao reggae. Ele é talvez mais conhecido pelo seu trabalho com o grupo de reggae The Wailers, que incluía outros dois grandes nomes, Bunny Wailer e Peter Tosh. Bunny e Tosh posteriormente deixariam o grupo para iniciarem uma bem-sucedida carreira a solo.

No início, foi produzida por Coxsone Dodd no Studio One. O trabalho de Bob Marley foi responsável pela aceitação cultural da música reggae fora da Jamaica. Ele assinou com o selo Island Records, de Chris Blackwell, em 1971, na época uma gravadora bem influente e inovadora. Foi ali, com No Woman, No Cry em 1975, que ele ganhou fama internacional.

Bob Marley era adepto da religião Rastafári. Ele foi influenciado pela esposa Rita, e passou a receber os ensinamentos de Mortimer Planno (um dos primeiros anciãos do movimento RASTA) . Ele servia de facto como um missionário rasta (suas ações e músicas demonstram que isso talvez fosse intencional), fazendo com que a religião fosse conhecida internacionalmente. Em suas canções Marley pregava irmandade e paz para toda a humanidade. Antes de morrer ele foi inclusive batizado na Igreja Ortodoxa da Etiópia com o nome Berhane Selassié.

Marley também tinha conexões com a corrente rastafári "Doze Tribos de Israel", e expressou isso com uma frase bíblica sobre José, ilho de Jacó, na capa do álbum Rastaman Vibration. E a música de MARLEY também bateu em Angola, quem não se lembra do No Womam No Cry, One Love, ou Could You Be Loved, músicas que não apenas os amantes do reggae têm o prazer de ouvir.

Da grande discografia de Bob Marley temos as seguintes obras: Judge Not (1961) (compacto), Simmer Down (1964) (compato) , Keep On Skanking (1967), Soul Rebels (1970), Satisfy My Soul (1972), Catch a Fire (1973), Rock to the Rock (1973), African Herbsman (1973), Live Jam' (1973) ,Burnin' (1973), Natty Dread (1974), Live! (1975) - gravado no Lyceum Theatre, Londres, Rastaman Vibration (1976), Exodus (1977), Kaya (1978), One Love Concert (1978), Babylon by Bus (1978), Survival (1979), Uprising (1980), Live At Rockpalast (1980), Chances Are (1981), Confrontation (1983), Legend (1984), The Final Concert (1985), Talking Blues (1991) , Natural Mystic (1995), Chant Down Babylon (1999), One Love-The Very Best of Bob Marley & the Wailers (2002). Brevemente sairá uma gravação de Bob com Carlos Santana.

Destes álbuns, o meu preferido é o Rastaman  Vibration, mas o pessoal aqui curte muito o Legend que é uma coletânea das melhores músicas de Marley, segundo a editora, outro álbum bem apreciado aqui é o Survival.

Os seus filhos têm feitos regravações das suas músicas. Muitos músicos também trabalham a sua obra. Na língua portuguesa, Gilberto Gil, com a versão de Mulher não Chores Mais deu o pontapé de saída e posteriormente o mesmo fez um álbum apenas com temas de Marley aclamado Kaya nan Kandaya.

Um mês antes de sua morte, Bob Marley foi premiado com a Ordem ao Mérito Jamaicana.

O mito

A música e a lenda de Bob Marley ganharam mais e mais força desde sua morte, e continuam a render grandes lucros para seus herdeiros. Também deu a ele um status mítico, similar ao de Elvis Presley e John Lennon. Marley é enormemente popular e bastante conhecido ao redor do mundo, particularmente na África e na América Latina. É considerado por muitos como o primeiro popstar do Terceiro Mundo.

Marley foi agraciado com vários prémios. Destaco os seguintes:
• 1976 - Banda do Ano (Rolling Stone)
• Junho de 1978 - Premiado com a "Medalha de Paz do Terceiro Mundo" pelas Nações Unidas
• Fevereiro de 1981 - Premiado com a mais alta condecoração jamaicana, a "Ordem ao Mérito"
• 1999 - Álbum do Século (Revista Time) por Exodus
• Fevereiro de 2001 - Uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood
• Fevereiro de 2001 - Premiado com um Grammy pelo "Conjunto da Obra"
• 2004: Rolling Stone Magazine classificou-o número 11 em sua lista dos "100 Maiores Artistas de Todos os Tempos"[4]
• "One Love" chamada canção do milênio pela BBC
• Votado como um dos maiores letristas de todos os tempos por uma sondagem da BBC.

O legado de Marley continua muito forte. A família Marley, em 2005, realizou a primeira edição do festival África Unite na Etiópia, que não é apenas música mas inclui outras atividades, como debates sobre temas relacionados com a juventude e outros problemas que a África e os africanos enfrentam. No anos seguintes os mesmos festivais realizaram-se no Gana, África do Sul e Jamaica. África Unite, porque um dos grande sonhos deste afro-jamaicano era ver a África unida.

Os filhos de Marley estão também bem lançados. Os premiados das três últimas edições dos Grammys, na categoria de Reggae, tinham o sobrenome Marley. Damiam Marley, Ziggy Marley e Steven Marley. Ziggy e Damiam já haviam conquistador o troféu e medições passadas.

A obra de Marley continua atual, influenciando cantores de vários estilos e conquistando sempre novos admiradores. A música de Bob não é apenas uma música Rasta é uma música para o Mundo, sem ser do mundo.

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos