Símbolo da crença na espiritualização sustenta mito da criação na Lunda-Sul Muquixi

Envie este artigo por email

Na cultura Lunda-Tchokwe, Muquixi simboliza autoridade, com poderes para impor medo e ordem dentro da sociedade Txikunza, criada a partir da Mucanda, que é uma instituição versada em rituais de circuncisão masculina. “É figura altamente respeitada e exerce, entre outras funções sociais, as de mensageiro junto das comunidades nas festas da Mukanda (circuncisão), rituais da puberdade, caça, pesca e no exercício do feitiço”.

Muquixi

Muandvumba, Kaita e Txinhama integram a linhagem de famílias reais, destinatárias das mensagens levadas pelos muquixis, designados por Mwakalanga e Txikunza, cuja atividade pressupõe "o consumo de sangue humano das vítimas (escravos), entregues para sacrifício por entidades da nobreza na sociedade mágica, momentos após à chegada do mensageiro ao palácio".

Na categoria dos rituais normais, o Txikunza é o mais temido " por ostentar dupla personalidade que lhe permite, em função das circunstâncias, agir como criatura humana ou sobre-humana". O Mwakalanga é dos mais temidos, ao nível de servidores da classe real.

Precisa que "as suas deslocações acontecem apenas uma vez, em cada cinco anos e envolvem mistérios. Por cada escala que observa no decurso da sua viagem, repõe as energias com o sangue da vítima que descobre, a dado ponto do seu itinerário, até chegar ao destino.

"A lista destes personagens versados em múltiplas atividades ligadas à tradição inclui o Kalélua, Mbomba, Txiko e Txindombe, mas as fontes notam que o Mwana-pwô é uma representação feminina, reputada pelo seu papel de animadora.

A indumentária e a dança de um muquixi despertam curiosidade sobretudo às mulheres e crianças em qualquer comunidade suburbana e até urbana. O seu poder de congregar quando dança, serve também para assustar e afugentar a assistência, por medo e respeito, cimentados na crença do "muquixi ser um espírito com configuração humana".

Conceito e funções

Para o soba e investigador da cultura local, Fernando João, o mascarado Lunda-Tchokwe é um artefacto cultural humano. Produzido de forma consciente pelo homem, intervém como suporte em rituais que expressam traços da cultura, "independentemente do que dirão os etnólogos, sociólogos e antropólogos".

Entre várias funções, o muquixi age como mensageiro nas festas de Mukanda (circuncisão masculina), da puberdade (para as meninas), além de uma preparação especial para servir famílias reais, na misteriosa hierarquia da sociedade mágico- feiticista. O seu papel é extensivo aos rituais para garantir a prosperidade das colheitas, da caça e da pesca.

Comentários

Newsletter


Colabore com o Jornal Cultura - Envie-nos os artigos da sua autoria.

Colaboradores Ver todos